Rodrigo Cardoso.

Rodrigo Cardoso.

A informação é do presidente do Sindicato dos Bancários de Ilhéus, Rodrigo Cardoso, que conversou hoje (20) com o Blog do Gusmão.

A categoria aprovou ontem a paralisação no dia da greve geral, 28 de abril. O protesto será contra as reformas previdenciária e trabalhista.

Rodrigo entende que o ato, por sua dimensão nacional, terá grande impacto para o convencimento dos deputados. Segundo ele, diferente de outras ocasiões, o protesto vai fazer justiça à expressão “greve geral”, demonstrando que “o povo não vai aceitar esse tipo de coisa e que eles [governo e parlamentares] precisam recuar”.

Uma interpretação chamada de heterodoxa por se opor às medidas de ajuste fiscal que afetam a população mais pobre, como as propostas pelo governo Temer, defende que essas intervenções tendem a desestimular a economia, porque reduzem o papel do Estado como indutor econômico. A tese é corroborada por muitos economistas, como Paul Krugman, vencedor do prêmio Nobel de 2008. Artigo do professor Sérgio Ricardo Ribeiro Lima (UESC) abordou o tema a partir da mesma perspectiva – lembre aqui.

Rodrigo Cardoso concorda com essa visão. “A gente entende que essas medidas recessivas diminuem a movimentação da economia. Menos recursos nas mãos dos trabalhadores mais pobres significa um impacto grande na desaceleração da economia, desaquece o mercado”. Segundo ele, estudos demonstram que as possíveis mudanças na Previdência Social afetarão principalmente os pequenos municípios, onde a renda dos aposentados representa boa parte do poder de compra da população.

Nesta quinta-feira (20), a partir das 16h30min, representantes dos movimentos sociais de Ilhéus vão se reunir na sede da APPI, localizada em frente à praça do Tamarineiro, no Malhado. O encontro vai servir para o agendamento das mobilizações da próxima semana. O deputado federal Davidson Magalhães (PC do B) estará presente. Ele integra a comissão que discute a reforma previdenciária na Câmara dos Deputados.