Autorretrato de Caio Tavares, que pode assumir a presidência do ICMBio por indicação do PROS.

O jornalista André Trigueiro, da Globonews, publicou no Facebook um comentário sobre a indicação de Caio Tavares, de 31 anos, para a presidência do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

De acordo com o jornalista, o governo Michel Temer esperou o tumulto de ontem (24), provocado pela greve dos caminhoneiros, para aceitar a indicação do primeiro presidente do ICMBio que não tem qualquer relação com a área ambiental.

Caio é graduado em ciência política, sócio de uma distribuidora de bebidas e secretário Nacional de Formação Política do PROS, que é da base do governo Temer.

“Governo picareta age assim: espera um dia tumultuado como esse para aceitar a indicação – pela primeira vez na história do ICMBio – de um novo presidente absolutamente estranho à área ambiental, que só chegou lá porque é do PROS”, escreveu André Trigueiro.

O orçamento do ICMBio passou a ser cobiçado desde o anúncio de que 1,4 bilhão de reais em multas ambientais retidos no caixa geral do governo serão transferidos para projetos de compensação ambiental. “O ICMBio é estratégico na gestão desses recursos. O PROS ganhou a disputa. O meio ambiente perdeu”, concluiu Trigueiro.

O site O Eco também destacou a indicação do PROS para o comando do ICMBio. Conforme o portal, “a assessoria de comunicação do Ministério do Meio Ambiente se recusou a responder se ocorreu a reunião entre Tavares e a diretoria do ICMBio, se limitando a dizer que a pergunta deveria ser enviada ao ICMBio. Já a assessoria do ICMBio afirmou que as nomeações são oriundas da Casa Civil e do Ministério do Meio Ambiente e que “os questionamentos deverão ser feitos às referidas instituições”.

Servidores do institutos vão protestar contra a indicação de Caio Tavares para o cargo.