Bebeto. Imagem: Ascom.

Nesta quarta-feira, 20, conversamos com o deputado federal Bebeto Galvão (PSB) sobre a disputa entre Lidice da Mata e Ângelo Coronel pela segunda vaga ao Senado Federal na chapa do governador Rui Costa (PT). O parlamentar também falou sobre a possibilidade de ser indicado como candidato a suplente de senador.

Segundo Bebeto, a desistência de ACM Neto tirou a disputa pelo Governo do Estado da centralidade. Hoje o que está no centro é a disputa, na chapa de Rui Costa, por uma das duas vagas ao Senado Federal. O nome de Wagner já foi definido. A senadora Lidice da Mata (PSB) e o deputado estadual Ângelo Coronel (PSD) disputam a segunda indicação.

O tensionamento gerado pela indefinição do segundo nome fez o governador Rui Costa adiar três vezes o anúncio da chapa. Nessas discussões foi cogitada a indicação de Lidice como 1ª suplente do ex-governador Jaques Wagner. O próprio governador Rui Costa fez esse convite. Diante da possibilidade da senadora não aceitar, o nome de Bebeto também foi analisado, contudo, isso não foi discutido pelo partido. Essas versões nasceram no limite da tensão política.

Bebeto afirma que o deputado federal Ronaldo Carletto (PP), o PC do B e o PR estão disputando a indicação da primeira suplência de Wagner. “Eu não pedi e não estou lutando por isso. Em nenhum momento abri essa discussão com meus aliados (prefeitos, vereadores e sindicalistas) e com minha base. Apesar do aceno do governador, isso não passa de uma especulação, uma vez que o PSB não discutiu. Nós vamos tentar manter a candidatura de Lídice ao senado e eu mantenho minha candidatura a deputado federal. Caso o governador anuncie o nome de Coronel, a executiva do partido vai sentar para analisar o quadro”.

Perguntado se o PSB pretende manter a candidatura de Lídice, mesmo fora da chapa de Rui, Bebeto disse que a executiva do partido não tomou decisão nesse sentido. Contudo, advertiu que se Lídice não for confirmada, a relação PT/PSB no plano nacional vai passar por uma crise.

No que diz respeito à Presidência da República, Bebeto disse que a direção nacional do PSB analisa três possibilidades de aliança: o PDT de Ciro Gomes, a REDE de Marina Silva e o PT de Lula (ou outro candidato).