WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
Sábado, 18 de Novembro de 2017
cenoe faculdade madre thais

QUITUTEIRA DO CHOCOLATE ARTESANAL VAI CARREGAR A TOCHA OLÍMPICA

Marly Lima

Marly Lima. Imagem: Renata Farias/ Bahia Notícias.

No dia 06 de novembro de 2012, este blog reproduziu reportagem do jornalista Marcos Pennha sobre o delicioso trabalho da quituteira Marly Lima, de Itacaré.

Redigido para o site Esperança Conduru (fora da rede há dois anos), o texto contou a história da chocolateira artesanal mais famosa do sul da Bahia.

Marly, proprietária do Café com Cacau, localizado à margem da BA 001 próximo de Itacaré, produz mais de vinte itens feitos com cacau orgânico: geleia, mel líquido, trufas – também com cupuaçu, bolos, patês, milk shakes, chocolates quentes e o tradicional café com cacau, dentre outros. As matérias primas são adquiridas de pequenos produtores rurais da agricultura familiar.

Graças à reportagem de Marcos Pennha e ao Blog do Gusmão, a comissão dos Jogos Olímpicos do Rio 2016, responsável pelo roteiro da Tocha Olímpica, escolheu Marly Lima para conduzir o símbolo esportivo em Ilhéus, no próximo sábado, dia 21 de maio.

Animada pela escolha, Marly Lima fala do seu contentamento. Ouça a entrevista.

EXCLUSIVO: GOVERNO JABES “BRINCA” DE COMBATE À DENGUE. ITABUNA LEVA A SÉRIO

ios itabuna dengue

Em Itabuna, Bicalho e equipe atuam com profissionalismo. Em Ilhéus, o governo Jabes segue na base do improviso.

Governo Jabes nega informações ao Blog do Gusmão

Decidimos preparar uma reportagem comparativa sobre o combate à dengue em Ilhéus e Itabuna. Temos dados que provam que na cidade vizinha o trabalho acontece com seriedade e profissionalismo, em Ilhéus, o serviço é realizado com amadorismo e improviso.

Por exemplo: Itabuna tem 183 agentes em campo. Ilhéus possui 51.

Na tarde dessa quarta-feira, 16, o secretário de saúde de Itabuna, Paulo Bicalho, conversou com a nossa reportagem durante 24 minutos.

Bicalho, de maneira transparente e muito educado respondeu todas as nossas perguntas.

Já o chefe de vigilância à saúde da secretaria de Ilhéus, Antonio Firmo, prometeu nos responder ontem à noite, por e-mail. Perguntamos se podia designar outra pessoa para nos atender. Ele disse que informações técnicas sobre a dengue, só o próprio pode dar.

Ligamos novamente hoje pela manha. Antonio Firmo mais uma vez se recusou a prestar esclarecimentos por telefone, mas prometeu enviar por e-mail até as 16 horas. 

Ouça um resumo das nossas conversas por telefone com o responsável pelo combate à dengue no município. O amigo visitante vai constatar que fizemos duas perguntas simples sobre uma política pública. As mesmas indagações foram respondidas tranquilamente pelo secretário de saúde de Itabuna.

Listamos as principais ações praticadas em Itabuna.

Ministério da saúde está prestes a liberar R$ 1, 7 milhão, resultado da audiência do prefeito Vane com  o ministro Marcelo Castro, no início de março.

Itabuna tem 183 agentes de combate a endemias cobrindo 120.500 imóveis.

Ilhéus tem 51 agentes, segundo Antonio Firmo, chefe de vigilância à saúde da secretaria municipal. Perguntado sobre o número de imóveis de Ilhéus, preferiu não responder.

Itabuna promoveu a requalificação dos agentes por meio de um novo treinamento.

O “QG”  da dengue de Itabuna tem laboratório próprio. Os resultados dos exames saem rapidamente.

Perguntado se o Pronto Atendimento (PA) da dengue, localizado no bairro Cidade Nova, possui o mesmo equipamento, o senhor Firmo preferiu não responder.

Em Itabuna a metodologia de aplicação do larvicida foi alterada. Antes era aplicado apenas em locais com água e larvas. Hoje, como prevenção,  é colocado também em locais secos que podem acumular o líquido.

Itabuna tem três carros fumacê, mas são utilizados em bairros onde há comprovadamente grande infestação, pois a sua eficácia elimina apenas 10% dos mosquitos existentes.

A secretaria conseguiu 20 equipamentos de tratamento perifocal (em pontos estratégicos de difícil acesso).

431 agentes comunitários de saúde atuam no trabalho educativo quando visitam as casas. Eles distribuem material gráfico (panfletos).

Os imóveis fechados estão sendo visitados por meio de ordem judicial. A equipe da secretaria possui um chaveiro que evita o arrombamento das casas.

Itabuna decretou estado de emergência em novembro. Até 10 de março foram notificados 45 mil casos de dengue, febre chikungunya e  zika (ao todo). Segundo Paulo Bicalho não há óbito registrado por conta da “tríplice virose”.

A secretaria realiza “faxinaços” todas as quartas-feiras nos bairros, com minitrio, e, funcionários visitando residências numa ampla mobilização. Os bairros São Caetano, Pedro Gerônimo, Santo Antonio e Conceição já receberam os “faxinaços”.

Itabuna montou um painel de guerra e tem contado com o apoio de muitos voluntários. As semanas epidemiológicas são consideradas como mecanismo de apuração dos casos notificados, local onde ocorreram e posterior combate ao mosquito.

LAUDO INOCENTA FABIO BARRETO DA ACUSAÇÃO DE TENTATIVA DE ESTUPRO, AFIRMA ADVOGADO

Fabio Barreto pode morrer dentro do presídio. Segundo Paulo Oliveira "armaram" contra o seu cliente.

Fabio Barreto pode morrer dentro do presídio. Segundo Paulo Oliveira “armaram” contra o seu cliente.

O Blog do Gusmão entrevistou o advogado criminalista Paulo Oliveira, responsável pela defesa de Fabio Barreto, preso no dia 23 de julho por tentativa de assassinato contra o estudante Igor do Carmo, membro do grupo Reúne Ilhéus.

Fabio Barreto também é investigado devido a uma suposta tentativa de estupro contra um menor,  e responde processos por lesões corporais.

Na entrevista, Paulo Oliveira rebate as acusações da delegada Andrea Oliveira contra o seu cliente, publicadas neste blog na última quinta-feira, dia 24.

Áudio gravado sexta-feira, 25 de julho.

Principais destaques:

Segundo o advogado, as testemunhas contrárias a Fabio Barreto integram o grupo Reúne Ilhéus e não agiram com isenção;

Paulo Oliveira fala que, possivelmente, um advogado do Reúne Ilhéus orientou as testemunhas;

Fabio Barreto nunca foi um santo, mas não deve ser julgado pelo histórico de confusões;

“Prisão foi arbitrária e lembra o tempo da ditadura militar”, afirma o defensor;

Um vídeo que inocenta;

“Fabio Barreto não é marginal, nunca se envolveu com drogas e jamais utilizou armas”;

Querem se vingar de Fabio Barreto com acusações infundadas;

Laudo “definitivo” da polícia técnica prova que Fabio Barreto não cometeu estupro. Menor deu um depoimento que altera o caso.

Advogado teme pela vida de Fabio Barreto que está isolado dentro do Presídio Ariston Cardoso. Presos juraram seu cliente.

Ouça a entrevista.

DELEGADA ANDREA OLIVEIRA DÁ DETALHES SOBRE A PRISÃO DE FABIO BARRETO

Delegada Andrea Oliveira. Imagem: Emílio Gusmão.

Delegada Andrea Oliveira. Imagem: Emílio Gusmão.

A prisão de Fabio Barreto rendeu várias mensagens de agradecimento, afirmou a delegada Andrea Oliveira durante entrevista ao Blog do Gusmão, na tarde dessa quinta-feira, 24.

Titular da 1º delegacia territorial da 7ª Coorpin de Ilhéus, Andrea Oliveira explica os motivos que fundamentaram o pedido de prisão preventiva acatado pela justiça criminal. Fabio Barreto é acusado de tentar matar o estudante Igor do Carmo, no dia 29 de março, em frente à Câmara de Vereadores de Ilhéus.

Fabio Barreto. Foto: Emílio Gusmão.

Fabio Barreto. Foto: Emílio Gusmão.

Principais destaques:

Delegada explica as provas e detalha o histórico de crimes do acusado;

Fabio Barreto também é acusado de tentativa de estupro contra um menor;

Andrea Oliveira explica por que grande parte da sociedade ilheense odeia Fabio Barreto;

A pressão dos estudantes pela apuração do crime contra Igor do Carmo;

Delegada pede que a sociedade acredite nas suas instituições e ressalta o bom trabalho da Polícia Civil;

Andrea Oliveira comenta o choro de Fabio Barreto ao ser preso.

Ouça a entrevista.

JABES E JOHN RIBEIRO TERIAM CONTRATADO FABIO BARRETO PARA OFENDER CARMELITA

Fabio Barreto. Foto: Emílio Gusmão.

Fabio Barreto: “Cansei de ser usado”. Foto: Emílio Gusmão.

A acusação é do suposto contratado, Fabio Barreto, durante entrevista “bombástica” ao Blog do Gusmão. Outros vereadores, inclusive da base governista, também teriam sido alvos dos ataques, a exemplo de Gurita e Dr. Jó.

Fabio pediu desculpas às vítimas das ofensas que disparou, supostamente, a mando dos irmãos Ribeiro. A Professora Carmelita (PT), ex-candidata a prefeita derrotada por Jabes Ribeiro em 2012, também teria sofrido ataques caluniosos.

Tentamos ouvir o prefeito sobre a grave acusação. JR disse que Fabio Barreto não tem credibilidade e, por isso, prefere não se manifestar.

Entrevistamos Fabio Barreto na manhã desta quarta-feira, 18, em Ilhéus.  Ele também negou a acusação do servidor municipal Igor do Carmo (o jovem ativista afirma que Barreto o esfaqueou “a mando de alguém”). Ouça. 

TORCIDA DO COLO-COLO É A TERCEIRA MAIOR DA BAHIA, DIZ WALTER TELLES

Walter Telles. Imagem: Thiago Dias.

Walter Telles. Imagem: Thiago Dias.

Após a final do campeonato baiano da segunda divisão, ontem no Estádio Mário Pessoa, o Blog do Gusmão entrevistou Walter Telles, presidente do Colo-Colo.

Durante a conversa, perguntamos sobre os planos da diretoria para firmar o clube ilheense na primeira divisão do futebol estadual.

Principais destaques:

“A cidade de Ilhéus ama o Colo-Colo”;

fora Jorge Amado, Gabriela e o cacau, o Colo-Colo é o motivo do ilheense ter alegria, afirma Walter Telles;

prêmios dos jogadores campeões serão pagos com cheques pré-datados;

as dívidas do clube;

Colo-Colo precisa se profissionalizar;

segundo a Federação Baiana de Futebol, a torcida do Colo-Colo é a terceira maior do estado (depois de Bahia e Vitória) e a primeira do interior;

uma grande torcida não é suficiente para manter um clube;

Walter Telles garante que o Colo-Colo terá o programa sócio-torcedor em 2015, na 1ª divisão. Ouça a entrevista.

ENTREVISTA COM EUGÊNIO SPENGLER: “IBAMA FOI CRITERIOSO EM RELAÇÃO AO PORTO SUL”

Eugênio Spengler. Imagem: José Nazal.

Eugênio Spengler. Imagem: José Nazal.

Eugênio Spengler assumiu a Secretaria Estadual de Meio Ambiente em abril de 2010. Na manhã dessa quarta-feira, 21, pela primeira vez ele esteve a poucos quilômetros de distância do Parque Estadual Serra do Conduru.

A unidade possui 9.275 hectares de Mata Atlântica situados nos territórios de Ilhéus, Uruçuca e Itacaré. Criado em 1997 pelo então Governador Paulo Souto, o parque tem problemas fundiários graves. Apesar dos 17 anos de existência, antigos proprietários de terras que hoje pertencem ao parque aguardam indenizações. Caçadores e madeireiros continuam atuando ilegalmente dentro do que deveria ser uma unidade de conservação integral.

O Parque Estadual Serra do Conduru é recordista em biodiversidade. Dentro dos seus limites há espécies endêmicas de plantas e animais, ou seja, que existem apenas nele. Além do mais, o PESC abriga animais ameaçados de extinção, como a irara, a lontra, o macaco-prego-do-peito-amarelo, o jacaré-do-papo-amarelo, a onça parda, além de aves raras como o mutum-do-sudeste e a harpia (Por que é importante salvar animais ameaçados de extinção? Leia aqui).

De volta a Eugênio Spengler, o Blog do Gusmão entrevistou o secretário em Serra Grande, após uma reunião dele com o Conselho Gestor do PESC. Segundo Salvador Ribeiro, secretário executivo do conselho, o encontro foi positivo (veja no final).

O Porto Sul, projeto que ameaça áreas remanescentes de Mata Atlântica da região, também motivou algumas perguntas.

Blog do Gusmão – O Parque Estadual Serra do Conduru tem um problema fundiário grave. Apenas 52% de sua área foi regularizada. Esse entrave vem se arrastando e o governo Wagner não conseguiu resolvê-lo, apesar de eleger essa região como pólo fundamental para o projeto desenvolvimentista do Porto Sul. O senhor trouxe uma boa nova para resolver essa situação? É possível resolvê-la até o final do governo Wagner?

Eugênio Spengler – Eu não creio que a gente consiga resolver 100% da questão fundiária em tão pouco tempo. O que nós estamos avançando na discussão do governo do estado é a compensação de passivos de reserva legal dentro das unidades de conservação. Nesse sentido, nós já tivemos uma reunião com a Petrobrás, que tem passivo de reserva legal no bioma Mata Atlântica. Eles manifestaram interesse em adquirir áreas ainda não regularizadas fundiariamente dentro do Parque Estadual Serra do Conduru. Além disso, agora com a definição do modo de operação da compensação ambiental, também nós teremos uma maior facilidade de adquirir essas terras, porque os devedores da compensação ambiental poderão fazer essa compra diretamente, transferindo a titularidade para o Estado.

SONY DSCEu não acho que a chegada da ferrovia e a instalação do porto, por si só, seja um problema que vai destruir a região. Eu acho que nós temos que ter uma atenção grande sobre como esse processo vai ocorrer.

BG – Fora a questão fundiária, comunidades do entorno continuam caçando e retirando madeira dentro da unidade. Falta monitoramento, guardas-parques que possam ter um trabalho mais rigoroso. Há também um questionamento sobre guardas-parques da região que, por terem vínculos com os moradores do entorno, não podem fazer um trabalho mais efetivo.

Spengler – Essa questão do guarda-parque ser das comunidades do entorno tem dois fatores: o risco de ter algum problema em relação a dificuldades com conhecidos, vizinhos, mas tem outro fator muito positivo, pois ele permite que a comunidade também se aproxime do parque, e entenda que tem alguém da sua localidade trabalhando, sustentando sua família. Nesse caso, o parque está gerando emprego para alguém do entorno.

Qualquer fator sempre vai ter, nessas questões, vantagens e desvantagens. Isso é natural, mas, nós entendemos que a utilização de mão de obra do entorno valoriza o parque e a comunidade. Esse é um entendimento que a gente tem como regra geral, o que não quer dizer que não possa ter situações que nos obriguem a tomar decisões diferentes.

Há também outro aspecto. Nós não vamos conseguir apenas com fiscalização e monitoramento controlar o roubo de madeira, a caça, e outras práticas indevidas dentro do parque. Nós precisamos ter uma política de valorização das atividades econômicas de quem vive no entorno, como o fortalecimento da agricultura familiar, práticas de educação ambiental e práticas de mobilização da comunidade. Precisamos diversificar a ação econômica, atividades culturais, de lazer, com as comunidades do entorno, para que as pessoas comecem a enxergar o parque como seu. O empoderamento, o sentimento de pertencimento é o principal fator de um respeito maior a essas questões. O parque é grande, tem muitas formas de chegar, colocar uma armadilha, matar um animal, cortar uma árvore e não ser percebido.

Bg – E como avançar nessas questões de maneira efetiva? O parque está perdendo área, está sendo suprimido lentamente.

Spengler – O que nós estamos fazendo é isso. Hoje foram apresentadas algumas questões. Por exemplo, por edital, nós queremos selecionar entidades da sociedade civil da região, para nos ajudar na gestão do parque, desenvolver atividades de gestão para melhoria da visitação e desenvolver esse tipo de trabalho com as comunidades do entorno.

O Estado conseguiu definir um modus de operação e administração do recurso da compensação ambiental. Então, através do conselho gestor e sendo apresentadas as demandas, nós gradativamente poderemos iniciar um processo de financiamento e fomento a essas iniciativas.

SONY DSCÉ importante salientar que o governo do estado está definindo uma política de manejo do cacau cabruca, justamente para termos investimentos e maior capacidade de produção dessa atividade agrícola, também florestal e cultural.

BG – Como está o processo de criação do novo Parque Estadual da Ponta da tulha?

Spengler – Nós teremos agora no dia 29 de maio a consulta pública, que é obrigatória por lei. Percorrido os trâmites legais de consulta pública e do tempo para opinião, será decretado o parque naquela unidade, naqueles 1700 hectares. A antiga área escolhida para o porto será decretada como parque estadual, formando um grande mosaico com a APA da Lagoa Encantada, o Parque do Conduru e a APA de Itacaré. Enfim, a gente vai avançar para ter uma política de mosaicos de unidades de conservação.

BG – Nesse novo parque a área já foi indenizada, mas, há uma invasão.

Spengler – Grande parte da área já foi regularizada. O Estado já pagou. Temos algumas pendências, mas estamos resolvendo. Nós receberemos uma área regularizada. A Casa Civil e a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Urbano estão tratando as questões das invasões.

BG – O senhor é uma figura respeitada entre os pesquisadores. Tem uma trajetória e já trabalhou no Ministério do Meio Ambiente. O Sul da Bahia detém parte significativa do que ainda resta da Mata Atlântica, mesmo assim, será alvo de um projeto desenvolvimentista que vai colocar em risco o pouco que ainda temos desse bioma. O senhor não se sente frustrado? Isso não lhe causa desconforto?

Spengler – Não. Primeiro, eu não acho que a chegada da ferrovia e a instalação do porto, por si só, seja um problema que vai destruir a região. Eu acho que nós temos que ter uma atenção grande sobre como esse processo vai ocorrer, e quais são as condições e seguranças que deverão ser adotadas para que ele contribua para o desenvolvimento da região, e não seja apenas um problema. Esse é um aspecto. É importante salientar que o governo do estado está definindo uma política de manejo do cacau cabruca, justamente para termos investimentos e maior capacidade de produção dessa atividade agrícola, também florestal e cultural. O cacau cabruca reúne três aspectos, para nós consolidarmos isso. Presta um serviço ambiental importante, garante conectividade entre remanescentes florestais e serve como corredor de biodiversidade. Então, na verdade, não é só porto que está sendo olhado, não é só a ferrovia que está sendo olhada, existe toda uma dinâmica sendo estruturada com o envolvimento da CEPLAC, no sentido de recuperarmos e dinamizarmos a cadeia do cacau. Isso também vai possibilitar a dinamização e a recuperação da cadeia da indústria moveleira na região, se nós tivermos capacidade de organizar.

Eu entendo que o porto causa impactos negativos, mas, também tem impactos positivos, e nós temos a capacidade de entender isso como uma oportunidade, no sentido de garantir uma maior preservação dos nossos ativos ambientais.

SONY DSC

Eu discordo que não tenha sido utilizada base científica e dados científicos. Discordo que os conhecimentos da área de botânica e da área de biodiversidade marinha não tenham sido ouvidos. Mesmo assim, respeito a opinião da senadora Marina Silva.

BG – A ex-ministra Marina Silva, numa entrevista coletiva dada aqui na região, disse que estudiosos e pesquisadores não foram adequadamente ouvidos sobre a localização ideal do Porto Sul. O que o senhor tem a dizer sobre isso?

Spengler – Eu posso dizer o seguinte: o IBAMA foi extremamente criterioso em relação ao licenciamento do Porto Sul.

BG – Mas houve forçação política.

Spengler – Sempre vai ter demanda política, porque a questão do desenvolvimento não é apenas uma peça técnica de orientação, é também parte de um processo político de desenvolvimento, de atração de investimentos e dinamização da economia. Entretanto, todos os aspectos econômicos, ambientais e de desenvolvimento foram considerados. Todos os estudos levantados foram considerados. O que o estudo ambiental não considerou, no primeiro momento, foi considerado depois por demanda e pressão da sociedade e por instituições tipo ministério público e universidades.

E repito. O IBAMA foi extremamente criterioso na análise dessa licença. Mais do que isso, o presidente nacional do IBAMA, o doutor Volnei Zanardi Júnior, disse que o Porto Sul serve como parâmetro na análise de licenciamentos. O IBAMA entende que o processo de licenciamento desse porto contribuiu para melhorar, e melhorar muito o projeto. Inclusive, o IBAMA indicou que a área inicial da Ponta da Tulha não era segura, por isso foi apontada como alternativa locacional uma segunda área, que está sendo estudada e ainda está em processo de análise, mas já tem licença prévia e terá a licença de instalação. Eu não acompanho diretamente isso, mas, acho que o governo do estado vai entregar nos próximos meses o pedido de licença de instalação do porto.

Eu discordo que não tenha sido utilizada base científica e dados científicos. Discordo que os conhecimentos da área de botânica e da área de biodiversidade marinha não tenham sido ouvidos. Mesmo assim, respeito a opinião da senadora Marina Silva.

BG – E se de repente um pesquisador encontrar recifes de corais em Aritaguá, como foi encontrado em Ponta da Tulha? isso não vai colocar o processo de licenciamento em risco?

Spengler – Pode. Se for encontrado, pode colocar em risco o processo de licenciamento. O Ibama vai ter que fazer uma análise e dizer se tem que inviabilizar a instalação do empreendimento, ou se tem que ser compensado com alguma situação em outro lugar. Isso é da competência do órgão ambiental, assim como nós fazemos quando analisamos processos de licenciamento pelo estado.

O Blog do Gusmão também entrevistou o engenheiro florestal Salvador Ribeiro, secretário executivo do Conselho Gestor do Parque Estadual Serra do Conduru. A avaliação do encontro com Eugênio Spengler foi positiva. Ouça.

ELIANA CALMON ELOGIA MUDANÇAS NO TJ-BA E DEFENDE A LIBERDADE DE IMPRENSA

Eliana Calmon durante entrevista ao BG.

Eliana Calmon durante entrevista ao BG. Imagem: Juliana Rocha.

Durante entrevista ao Blog do Gusmão na última sexta-feira 02, a ex-corregedora do Conselho Nacional de Justiça, Ministra Eliana Calmon, comentou as interferências do CNJ no Tribunal de Justiça da Bahia.

Ministra aposentada do Superior Tribunal de Justiça, Eliana Calmon elogiou a gestão do Desembargador Eserval Rocha na presidência do TJ, principalmente em relação ao corte de despesas.

Pré-candidata ao senado pelo PSB, a magistrada discorreu sobre o hábito de alguns juízes de 1ª instância, useiros e vezeiros na aplicação de “censura prévia” em veículos e profissionais de imprensa.

Ela manifestou posição contrária à prática da mordaça judicial e expôs as ações que desenvolveu no CNJ para instruir os seus colegas de toga.

Eliana Calmon disse que a magistratura nacional desconhece a importância da imprensa como ferramenta de trabalho.

Ouça a entrevista gravada na Faculdade de Ilhéus durante o encontro regional do PSB.

PORTO SUL: MARINA DIZ QUE ESTUDIOSOS E AMBIENTALISTAS NÃO FORAM OUVIDOS ADEQUADAMENTE

Bebeto Galvão, Lídice da Mata , Eduardo Campos, Marina Silva e Eliana Calmon durante a coletiva.

Bebeto Galvão, Lídice da Mata, Eduardo Campos e Marina Silva durante a coletiva.

Nessa sexta-feira 02, o ex-governador Eduardo Campos e a ex-ministra Marina Silva concederam entrevista coletiva à imprensa do eixo Ilhéus-Itabuna.

Na Faculdade de Ilhéus, os dois presidenciáveis comentaram temas importantes para o Sul da Bahia.

Principais destaques.

Porto Sul. Segundo Marina, governos estadual e federal não ouviram adequadamente estudiosos e ambientalistas. Dilma abriu mão da gestão ambiental integrada.

Eduardo e Marina querem revitalizar a Ceplac. Eles não possuem uma fórmula pronta, mas estão dispostos a ouvir.

Aécio Neves não considera o candidato do PSB como adversário. Eduardo e Marina pensam diferente.

Eduardo Campos não quer aliança com o velho cacique José Sarney, mas em Pernambuco tem como aliado Inocêncio Oliveira (acusado de trabalho escravo).

Eduardo Campos fala sobre compromissos com a região cacaueira.

Os caçadores de índios tupinambás do PSB de Ilhéus.

Ouça a entrevista.

WAGNER FALA SOBRE OBRAS EM ILHÉUS E ITABUNA

Governador posa ao lado de cidadã ilheense, na sede da prefeitura. Foto: Blog do Gusmão/Thiago Dias.

Governador posa ao lado de cidadã ilheense, na sede da prefeitura. Foto: Blog do Gusmão/Thiago Dias.

Ontem (segunda-feira, 29), o governador Jaques Wagner esteve em Ilhéus e Itabuna, para autorizar o início de obras nas duas cidades. No programa Conversa com o Governador desta terça-feira, ele destacou a importância dos investimentos no sul da Bahia. Ouça.

AÉCIO NEVES, ACM NETO E GEDDEL COMENTAM A CANDIDATURA DE PAULO SOUTO

A oposição, enfim, unida.

A oposição, enfim, unida. Imagem e áudio: Ascom Democratas.

Nesta segunda-feira 14, a oposição fez o lançamento oficial da pré-candidatura de Paulo Souto (DEM) ao governo da Bahia. O ex-deputado Joaci Góes (PSDB) é o pré-candidato a vice da chapa. Geddel Vieira Lima disputará uma vaga no Senado. O evento aconteceu no Sheraton Hotel da Bahia, em Salvador.

Ouça as entrevistas de Aécio Neves, Acm Neto, Geddel Vieira Lima e Paulo Souto sobre a chapa dos partidos de oposição.

Página 1 de 241...Última »