Do site Cuidados pela Vida.

Em dias de calor intenso, é difícil resistir à tentação de ligar o ar-condicionado para dormir com mais conforto. Por outro lado, no local de trabalho, o uso deste aparelho nem sempre é uma opção, o que pode preocupar quem sofre com doenças respiratórias e alergias, como a asma, já que o ar-condicionado pode piorar ou desencadear alguns sintomas.

Ar frio e seco do ar-condicionado piora sintomas da asma

No processo de abaixar a temperatura, o ar-condicionado reduz a umidade do ar. Mais frio e mais seco, ele ganha características semelhantes ao ar do outono e do inverno, estações conhecidas pelo aumento de crises relacionadas a doenças respiratórias.

“O ar-condicionado pode ressecar a faringe, a laringe, o nariz, a traqueia e os pulmões, propiciar uma inflamação e, portanto, piorar os sintomas respiratórios”, explica o pneumologista Ramiro Sienra. Como consequência, quem já sofre com rinite pode sentir coceira no nariz, espirros e dor nasal, enquanto pacientes com asma podem ter tosse, chiadeira e falta de ar pioradas.

Manter o ar-condicionado limpo evita crises respiratórias

Para evitar esses problemas, a principal dica do especialista é evitar a exposição ao aparelho: “Isto engloba diminuir a permanência nos lugares com ar-condicionado, evitar temperaturas muito baixas, evitar fazer atividade física nesses ambientes e, se for necessário, usar um umidificador”, recomenda o pneumologista. É preciso ainda observar as orientações do fabricante quanto à limpeza, troca de filtro e manutenções.

Outra atitude importante para quem tem alergias e doenças que pioram com o frio é evitar mudar bruscamente de um ambiente quente para um local com ar-condicionado. Estes pacientes podem apresentar piora dos sintomas com a variação de temperatura, já que o ideal para o sistema respiratório é permanecer em temperaturas estáveis.

Dr. Ramiro Sienra é pneumologista, formado pela Faculdade de Medicina da USP e atende em São José dos Campos (SP). CRM-SP: 139797