WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
Segunda-Feira, 19 de Fevereiro de 2018
cenoe faculdade madre thais

REDE DISCUTE POSSÍVEL CANDIDATURA DO CACIQUE RAMON A DEPUTADO FEDERAL

Cacique Ramon Tupinambá.

Com o apoio da Comissão Provisória do partido em Ilhéus, o Elo Estadual da Rede Sustentabilidade discute a pré-candidatura do Cacique Ramon Tupinambá a deputado federal no pleito deste ano.

O nome da liderança ilheense também agrada comissões provisórias de outras cidades baianas. Por isso, o Elo Estadual fez o convite já aceito pelo cacique da Aldeia Tucum. Caso a candidatura se confirme, essa será a primeira participação de um índio Tupinambá na corrida para o Congresso Nacional.

Na tarde desta quarta-feira (3), o Blog do Gusmão conversou por telefone com o Cacique Ramon. Segundo ele, a princípio, o partido cogitou o seu nome para uma candidatura a deputado estadual. Entretanto, como a legislação que trata das questões indígenas é constitucional, a Rede avaliou que a disputa de uma cadeira na Câmara Federal é mais pertinente.

Na conversa desta tarde, Ramon disse ao blog que começou a estudar a trajetória do líder xavante Mário Juruna (1943-2002). Eleito pelo PDT do Rio de Janeiro em 1983, Juruna foi o primeiro deputado federal indígena do Brasil. A nossa história ainda não lhe deu companhia nesse posto.

A história recente de Ilhéus também não registra a presença de muitos índios na política institucional. O Cacique Ramon é uma das raras exceções. Hoje ele chefia o setor de interlocução entre a prefeitura e as comunidades tradicionais, no âmbito da Secretaria de Governo do município.

Segundo Emílio Gusmão, superintendente do Meio Ambiente de Ilhéus e membro do Elo Estadual da Rede, a presença do Cacique Ramon na gestão municipal é mais uma prova de que a abertura para o diálogo com toda a sociedade “já é uma marca do governo Mário, assim como aconteceu com os servidores”. Para Gusmão, o governo Newton Lima posicionava-se francamente contra os Tupinambás de Olivença, enquanto a gestão do ex-prefeito Jabes Ribeiro (PP) manteve distância estratégica da questão indígena.

LÍDER TUPINAMBÁ LUTA POR DEMARCAÇÃO E RESGATE DAS ORIGENS EM ILHÉUS

Cacique Ramon Tupinambá.

Cacique Ramon Tupinambá.

Da Rede Sustentabilidade

Garantir a demarcação do Território Ancestral Indígena Tupinambá de Olivença tem sido uma das principais lutas de Ramon Souza Santos, 32 anos, também conhecido como cacique Ytajibá. Uma das principais lideranças da região, localizada em Ilhéus, no sul da Bahia, ele busca uma homologação que, caso seja viabilizada pelo governo federal, vai beneficiar mais de 8 mil índios, divididos em 22 comunidades.

Filiado à Rede Sustentabilidade, Ytajibá é cacique de sua comunidade há 11 anos. Ele explica que o território já foi delimitado em abril de 2009 e conta com 47.360 hectares. No entanto, ainda falta a demarcação definitiva. Apesar da luta, considera que a homologação está cada vez mais difícil de acontecer, ainda mais com a sinalização do atual governo. Ele aponta a escolha de Osmar Serraglio para o Ministério da Justiça e as mudanças no sistema de demarcação adotadas pelo antecessor na pasta, Alexandre de Moraes, como os principais sinais de retrocesso nas questões indígenas do país. “Como esperar avanços se o presidente chama o relator da PEC 215 para comandar o ministério responsável por demarcar territórios indígenas?”, questionou.

Em entrevista à REDE, o cacique conta sobre essa batalha pela demarcação e por que decidiu se filiar ao partido. Ele também fala sobre o importante trabalho de resgatar o idioma nativo junto ao povo Tupinambá de Olivença:

Como tem sido a sua luta como uma das principais lideranças indígenas da sua região?

Ramon Souza Santos, o cacique Ytajibá – A batalha por aqui está bastante árdua. A nossa principal luta aqui na região é pela demarcação definitiva do Território Ancestral Indígena Tupinambá de Olivença. Essa área já está delimitada desde 20 de abril de 2009 pelo governo, mas falta a assinatura definitiva para que seja demarcada e passe definitivamente para os índios. É uma região importante e essa luta vai muito mais além, pois já há uma tentativa de transferir essas terras aos indígenas desde 1926, quando o então governador da Bahia mandou marcar uma área com 50 léguas de cada lado em formato quadrado (ou 58.274 quilômetros quadrados). Isso mostra que é uma briga bastante antiga e vai garantir um território para o povo Tupinambá de Olivença, que foi o primeiro a ter o contato com os colonizadores portugueses ainda nos tempos de Descobrimento do Brasil.

E qual foi o tamanho da área delimitada pelo governo federal em 2009?

Cacique Ytajibá – O território delimitado pelo governo naquela ocasião foi de 47.360 alqueires (473,6 quilômetros quadrados). Ou seja, isso mostra que a comunidade indígena tem perdido muito espaço em uma área que é de direito dos índios Tupinambá. Apesar do tamanho ser muito inferior, a demarcação do território é essencial para a sobrevivência dos indígenas aqui da região. Por esse motivo, travamos essa batalha, porque quando isso for oficializado, esse território indígena vai abranger três municípios: Ilhéus, Una e Buerarema. E também mais de 8 mil índios divididos em 22 diferentes comunidades indígenas. E essa demarcação também apresenta uma importância fundamental, pois irá contribuir na preservação de uma área localizada na Mata Atlântica e que também conta com uma estância hidromineral. É uma maneira de garantir a nossa permanência nesse território, pois sempre estivemos aqui. Mas infelizmente a conjuntura atual nos ameaça cada vez mais, com os indícios de retrocesso nas questões indígenas.

Como você avalia a forma que o governo lida com as questões indígenas hoje e, inclusive, esse novo formato de demarcação?

(mais…)

CONVENÇÃO DA REDE SERÁ NA ALDEIA TUCUM

Aldeia Tucum. Imagem: Conselho Indigenista Missionário.

Aldeia Tucum. Imagem de arquivo: Conselho Indigenista Missionário.

A comissão provisória da Rede Sustentabilidade de Ilhéus vai realizar sua convenção na Aldeia Tucum, que fica no quilômetro doze da rodovia Ilhéus-Olivença, na entrada da Mineração Guanabara. O ato está marcado para as 10 horas dessa sexta-feira (5).

A convenção vai oficializar a candidatura de José Nazal a vice-prefeito de Ilhéus na chapa de Marão (PSD).

Segundo o convite divulgado pela comissão, o partido também vai lançar “com muito orgulho” a candidatura do Cacique Ramon Tupinambá a vereador.

O fato é inusitado. Pelo menos na Bahia, não se tem notícia de outra convença partidária realizada numa aldeia indígena. Conforme a comissão provisória, o elo estadual do partido recebeu a ideia com muito alegria, ressaltou o simbolismo fortíssimo dessa iniciativa e prometeu repercuti-la no site da Rede, veículo com projeção nacional.

REDE SUSTENTABILIDADE INCORPORA NOVOS FILIADOS DE ILHÉUS

rede ios

José Nazal, Cacique Ramón e Emilio Gusmão estão na Rede.

Por meio de nota, os porta-vozes da Rede Sustentabilidade na Bahia informam que o partido busca se organizar em Ilhéus.

O escritor e fotógrafo José Nazal deixou o PTB e se filiou na Rede. Provavelmente, o partido terá candidato à prefeitura de Ilhéus.

Na cidade, a Rede segue uma tendência nacional da legenda e incorpora lideranças de comunidades tradicionais. O Cacique Ramón Tupinambá e outros índios também se filiaram. Leia o comunicado.

Nota do Elo Estadual da Rede

A Rede Sustentabilidade acompanha com entusiasmo sua organização no Sul da Bahia, especialmente o esforço coletivo de atuação em Ilhéus com incorporação de significativos segmentos interessados pela Nova Política. 

Ressalta que a filiação do Cacique Ramón Santos Tupinambá com lideranças indígenas, do jornalista Emílio Gusmão e do historiador José Nazal reforçam a esperança de uma nova perspectiva de atuação em defesa da democracia e construção da sustentabilidade na Região.

Julio Rocha e Iaraci Dias porta-vozes da Rede Sustentabilidade na Bahia.