WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
Terca-Feira, 12 de Dezembro de 2017
cenoe faculdade madre thais

BEBETO COMEMORA RETORNO DA CEPLAC COMO ÓRGÃO DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA

Deputado Federal Bebeto Galvão. Imagem: Divulgação.

Deputado Federal Bebeto Galvão. Imagem: Divulgação.

Ontem, 3 de novembro, o Estado da Bahia, em especial, a região cacaueira comemorou a lei que devolve a CEPLAC (Comissão Executiva de Planejamento da Lavoura Cacaueira) o seu status original de órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

O deputado Bebeto comentou sobre os esforços e a importância da CEPLAC em retornar ao seu posto original. “Como um dos principais articuladores para esta importante decisão, fico feliz com o resultado alcançado”, pontuou.

Bebeto comemorou a decisão e afirmou que vai continuar em busca de melhorias para a instituição. “Continuarei lutando para que a CEPLAC ganhe mais investimentos em pesquisa, inovação e, tecnologia. Além de lutar também por investimento no quadro de pessoal através da valorização dos técnicos vigentes e na realização de concurso público. Isto é necessário para que este importante instrumento continue a contribuir para o desenvolvimento do Estado da Bahia e do Brasil”, completou.

ENTENDA

No dia 1º de abril de 2017, um decreto rebaixou a CEPLAC a um departamento da Secretaria de Mobilidade Social do Produtor Rural e Cooperativismo, do Ministério da Agricultura. A decisão preocupou o deputado federal Bebeto Galvão (PSD) e produtores de cacau do Sul da Bahia. Cerca de 1.300 funcionários temiam pelo futuro da comissão.

BEBETO DEFENDE REESTRUTURAÇÃO DA CEPLAC

Bebeto em reunião em Brasília.

Bebeto em reunião em Brasília.

Nessa terça-feira (10), o deputado federal Bebeto Galvão (PSB) participou de uma audiência, em Brasília, com a presença do ministro da Agricultura, Blairo Maggi. A pauta da reunião foi o processo de reestruturação da CEPLAC.

Na reunião, Bebeto defendeu a manutenção dos servidores que já estão lotados no setor e a contratação de outros como o primeiro passo para a reestruturação efetiva. O deputado ainda criticou as tentativas de esvaziar o órgão, que recentemente foi rebaixado ao status de diretoria do Mapa.

Ao final do encontro, uma nova reunião foi marcada para o dia 8 de novembro. “Vamos construir mais uma unidade em torno dos interesses da região. A Ceplac é nossa e deve ser mantida”, pontuou.

MINISTÉRIO DISCUTE PLANO DE REESTRUTURAÇÃO DA CACAUICULTURA

Plano de reestruturação da cacauicultura do Brasil. Imagem: SUFRAMA

Plano de reestruturação da cacauicultura do Brasil. Imagem: SUFRAMA

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) deve fechar, até o final deste ano, convênio com a Word Cocoa Foundation (WCF), a fim de desenvolver ações que garantam a sustentabilidade da cacauicultura brasileira. As negociações começaram durante reunião, no dia 16, entre os representes do Mapa, da WCF e da cadeia produtiva, na Secretaria executiva do ministério.

De acordo com Jair Oliveira, coordenador-geral de Desenvolvimento Institucional do Mapa, o projeto foi idealizado com base no programa já implantado na África.  No continente africano, a Cocoa Action, órgão da WCF, liga empresas mundiais de chocolate com governos e setores interessados na sustentabilidade do cacau.

A World Cocoa Foundation tem suas ações voltadas para as parcerias público-privadas, ao aprendizado conjunto e compartilhamento de conhecimento que busca a sustentabilidade da cadeia produtiva do cacau. Para o consultor da Comissão Executiva do Plano de Lavoura Cacaueira (Ceplac), Pedro Ronca, “o interesse da WCF em firmar parcerias com o Brasil deve-se ao potencial da cultura, além da importância que o atual governo dispensa ao cacau por meio da Ceplac”, afirma.

O consultor comenta ainda sobre o reconhecimento internacional da Ceplac pelos serviços prestados à cacauicultura e da sua relevância para a pesquisa, compreendendo que a instituição tem o maior bando de germoplasma do mundo. Segundo ele, o plano de reestruturação da Ceplac deverá trazer grandes benefícios ao setor.

Para o diretor da Ceplac, Juvenal Maynart, a parceria é essencial para a organização do sistema de produção com sustentabilidade socioeconômica e ambiental. Adiantou também que a Ceplac vai promover pesquisa para definir as necessidades da cadeia produtiva e que a assistência técnica terá o envolvimento de todos os agentes da cacauicultura.

CEPLAC PERDEU AUTONOMIA ATÉ PARA COMPRAR “PAPEL”, RECLAMA SERVIDOR

Empresários e servidores discute soluções para a Ceplac. Imagem: Ascom-ACI.

Empresários e servidores discute soluções para a Ceplac. Imagem: Ascom-ACI.

Na segunda-feira (20), a reestruturação institucional da Ceplac foi tema de encontro realizado na Associação Comercial e Empresarial de Itabuna (ACI). Empresários do município conheceram as principais dificuldades enfrentadas pelo órgão vinculado ao Ministério da Agricultura.

Os servidores lamentaram a perda da autonomia financeira e administrativa da Ceplac, o que se deve ao rebaixamento do órgão à categoria de departamento ministerial.  “Com as decisões adotados ano passado pelo Governo Federal, a Ceplac perdeu rumos. Agora, até para adquirir uma resma de papel sulfite depende de licitação do Ministério da Agricultura”, reclama o agrônomo e extensionista Antonio Fernando Ribeiro.

Segundo o presidente da ACI, Roberto Abude, a reestruturação da Ceplac é importante devido ao seu patrimônio científico e tecnológico único em todo o mundo.

A Ceplac completou 60 anos na última segunda-feira. Os servidores trabalham na elaboração de um documento com sugestões para a revitalização do órgão. Acreditam que a data simbólica pode impulsionar o debate regional. “Depois de estudos, oficinas e reuniões com representantes de produtores rurais, territórios e as Universidades Federal da Sul da Bahia (UFSB) e Estadual de Santa Cruz agora estamos apresentando a proposta à sociedade regional”, explicou Antonio Ribeiro.

CALMA, JUVENAL!

Juvenal Maynart.

Juvenal Maynart.

Como a blogosfera destacou, inclusive o Pimenta, o ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) indicou Juvenal Maynart para o comando da diretoria geral da CEPLAC. A nomeação saiu no último dia 14.

Entre 2011 e setembro de 2015, Juvenal dirigiu a superintendência baiana da CEPLAC. Produtores de cacau o elogiaram muito por seu trabalho. Apesar da competência reconhecida, também havia chegado ao posto por indicação de Geddel. Foi exonerado quando o peemedebista aumentou o tom das críticas ao governo Dilma.

Com o escândalo envolvendo apartamento de Geddel em Salvador, não se sabe qual será o destino de Juvenal na CEPLAC, caso o ministro deixe o cargo.

Por mais que Geddel mantenha sua influência no governo mesmo fora do cargo, como acontece hoje com o senador Romero Jucá (PMDB), líder da base de Temer no Senado, Juvenal pode ficar sem padrinho direto na gestão.

Ser afilhado político de Geddel, padrinho controverso e com passado extremamente questionável, deixa Maynart em situação de alerta.

Mas Juvenal, reconhecido por muitos pela competência, sabe trafegar muito bem entre a elite do cacau. É amigo de empresários influentes, como Helenilson Chaves.

Recentemente, Chaves escreveu artigo no Pimenta defendendo a lavoura de cacau a pleno sol, sem o tradicional sistema cabruca que conserva espécies importantes de árvores da Mata Atlântica.

Juvenal conhece a importância do cacau cabruca. Defendeu esse tipo de produção na sua passagem pela superintendência da CEPLAC. Por outro lado, em nenhum momento se expôs numa divergência pública com o amigo Helenilson Chaves.

É que Juvenal, além de competente, também sabe não aborrecer os amigos.

MINISTRO INTERINO DA AGRICULTURA EM ILHÉUS

Eumar Novacki.

Eumar Novacki.

O ministro interino da Agricultura, Eumar Novacki, vai desembarcar na tarde desse sábado (3) no Aeroporto Jorge Amado, em Ilhéus. A visita se deve ao Dia Internacional do Cacau, que a Ceplac vai comemorar com um evento nesse domingo (4).

 No Dia Internacional do Cacau, o interino discursará para produtores, técnicos, servidores do órgão e demais convidados. Depois acompanhará a entrega dos prêmios de “Cacauicultor do Ano”, “Produtor Familiar” e destaques “Produtor de Chocolate” e “Jovem Empreendedor Rural”.

Novacki também concederá entrevista coletiva à imprensa na sede regional da Ceplac.

O titular da pasta é o ministro Blairo Maggi, conhecido como o “rei da soja”, que não virá a Ilhéus pois viajará em missão internacional.

CEPLAC SELECIONA ESTAGIÁRIOS EM ILHÉUS

ceplacO Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) abriu processo seletivo para a formação de cadastro reserva de diversos órgãos. A CEPLAC está entre eles.

As oportunidades da CEPLAC são para estudantes do ensino médio e de direito, administração, comunicação, agronomia, biologia, sistema de informação e medicina veterinária. Os futuros estagiários vão atuar em Ilhéus. 

Atenção: o prazo para inscrições vai acabar ao final dessa quarta-feira (10). Inscreva-se aqui. O candidato passará por uma prova online no ato de inscrição.

A seleção terá validade de um ano. São 784 vagas para todo o Brasil. As remunerações variam entre R$ 203 e R$ 520, a depender da carga horária e do nível do estágio. Os estagiários também vão receber auxílio-transporte.

Acesse o edital aqui.

REDESCOBRINDO O SUL DA BAHIA

WALMIR-ROSÁRIO-FOTO-WALDYR-GOMES1-150x150Por Walmir Rosário

Em meio à inundação de notícias desconstitutivas sobre o Brasil como um todo, começamos a vislumbrar que a região do cacau, finalmente, começa a nos mostrar alguma de boa, útil e produtiva. Trata-se da implantação da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) na área da Ceplac, às margens da Rodovia Jorge Amado.

Finalmente, a razão, a inteligência e o bom senso conseguiram superar o atraso, o corporativismo maléfico, o provincianismo, as ideias retrógradas, a pequenez e o atraso. E essa tomada de atitude posso credenciar, principalmente, ao Superintendente de Desenvolvimento da Região da Cacaueira do Estado da Bahia (Sueba), Juvenal Cunha Maynart, e o Magnífico Reitor da UFSB, Naomar Monteiro de Almeida Filho.

É a produção de ciência, de conhecimento, implantada no mesmo local que, por décadas, pesquisou e entregou à Nação Grapiúna todo um pacote tecnológico de desenvolvimento. Concebida num tripé de pesquisa, extensão e ensino, a Ceplac foi além de sua proposta inicial de prestar serviços financeiros aos cacauicultores e transformou a socioeconomia regional numa das mais eficientes do Brasil.

Não se conhecia no final da década de 50, toda a década de 60 e 70 região com uma infraestrutura igual ao Sul e Extremo Sul da Bahia. De repente, da luz do candeeiro passamos à energia elétrica; do transporte ao lombo de burros às boas estradas; das demoradas cartas ao telefone e telex; da economia precária à retomada do crescimento agropecuário e comercial.

Tudo isso foi possível com o trabalho eficiente dos técnicos da Ceplac, liderados  por Carlos Brandão e José Haroldo Castro Vieira, Paulo Alvim, dentre outros. Com o passar dos anos, a Ceplac se consolida como instituição científica, muda conceitos e costumes. Como toda grande instituição, sofre com as ingerências, seu técnicos se acomodam. Um novo despertar chega com a terrível descoberta na vassoura-de-bruxa nos cacauais do Sul da Bahia.

(mais…)

DECRETO QUE REBAIXOU A CEPLAC É REVOGADO

Bebeto comemora anulação do rebaixamento da Ceplac.

Bebeto comemora anulação do rebaixamento da Ceplac.

O deputado federal Bebeto Galvão (PSB-BA) comemorou a revogação do decreto que havia rebaixado o status administrativo da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (CEPLAC). O ato foi publicado hoje (15) no Diário Oficial da União.

“A derrubada desse decreto significa uma grande vitória da região cacaueira, significa a vitória do diálogo, do bom senso, da união dos produtores de cacau, dos empresários, dos trabalhadores, dos políticos, de toda a sociedade baiana, que enfrentou esse episódio com firmeza e determinação”, destacou Bebeto.

Segundo Bebeto, uma verdadeira força-tarefa foi realizada na Bahia, com a participação de diversos segmentos da sociedade e da política, para evitar que o decreto fosse publicado. Mas, a ministra da Agricultura Kátia Abreu (PMDB) descumpriu o acordo firmado com parlamentares. A medida provocou um sentimento de revolta na Bahia e o governo voltou atrás. “Quero agradecer a cada um dos envolvidos, a todos que nos ajudaram a reverter esse golpe contra a cacauicultura. Não podemos ser exclusivistas. Esse é o resultado de união de todas as classes em defesa de um assunto de interesse coletivo”.

Bebeto informa que agora o desafio é provocar o debate em torno do novo modelo de organização e funcionamento da CEPLAC. “A minha defesa é que tenhamos condições de mais investimentos em inovação, pesquisa e tecnologia, fortalecendo a produção local e intensificando a relação com mercados internacionais, além de garantir a valorização e qualificação do quadro profissional, tanto dos técnicos vigentes, como a realização de novo concurso público”.

GRUPO DE TRABALHO VAI DISCUTIR UMA NOVA CEPLAC

bEBETO E CEPLAC

Bebeto Galvão e a busca por uma nova CEPLAC.

O decreto que rebaixou o status da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (CEPLAC) será anulado nos próximos dias, conforme antecipado pelo deputado federal Bebeto Galvão (PSB).

Após reunião na Casa Civil e no Ministério da Agricultura nesta quarta-feira (13), Bebeto explica que o Diário Oficial da União trará uma publicação que devolve à CEPLAC o seu status anterior. A mudança só não foi publicada ainda porque, além da revogação, há um desafio de encontrar uma forma de reestruturar a comissão, com modificações nas superintendências.

Bebeto informa ainda que será instituído um grupo de trabalho para discutir um novo modelo de organização e funcionamento. Ou seja, será devolvido à CEPLAC o seu status original, mas durante 60 dias será realizado um amplo debate com os estados produtores de cacau para encontrar uma forma mais estratégica de atuação da comissão.

FORTALECIMENTO DA CEPLAC NÃO PODE SER “PROMESSA VAZIA”

Deputado Augusto Castro.

Deputado Augusto Castro.

A opinião é do deputado estadual Augusto Castro (PSDB), que recebeu de forma positiva a decisão do governo Dilma Rousseff de cancelar o rebaixamento da Ceplac. O Ministério da Agricultura anunciou que prepara novo decreto que prevê a reestruturação do órgão.

O ministério reconheceu que a Ceplac enfrenta um processo de defasagem, com cortes profundos em seu orçamento. Segundo Augusto, a promessa oficial é de que haverá uma inversão do que muitos chamam de  desmonte.

Augusto espera “que o compromisso de fortalecer a Ceplac não seja mais uma promessa vazia de um governo que tem pouca ou nenhuma credibilidade”.

RAIZ E BLOG DO GUSMÃO DEFENDEM A CEPLAC

Unidade regional da CEPLAC.

Unidade regional da CEPLAC.

Na carta abaixo, o Movimento Cidadanista (Raiz) de Ilhéus e o Blog do Gusmão se posicionam contra o rebaixamento da CEPLAC. O documento não se limita a criticar a medida do Ministério da Agricultura. Mais que isso: destaca a importância do órgão na condução de pesquisas científicas e como meio de promoção do desenvolvimento endógeno a partir das potencialidades do sul da Bahia. Leia.

MANIFESTO EM DEFESA DA CEPLAC E DA LAVOURA CACAUEIRA

Nas últimas décadas coube a CEPLAC o protagonismo para atender as necessidades do setor produtivo cacaueiro de todo o Brasil, e principalmente do sul da Bahia. Foi essa instituição que desenvolveu inúmeros instrumentos para o fortalecimento da cacauicultura e a diversificação agrícola, além de ter desenvolvido ampla pesquisa e extensão rural.

Ao tomarmos conhecimento do decreto que definiu o rebaixamento da CEPLAC, tornando-a um mero departamento no Ministério da Agricultura comandado por Kátia Abreu, no governo da presidenta Dilma, sem autonomia financeira e administrativa, manifestamos a nossa total indignação e reprovação a este ato. Essa medida vai paralisar as pesquisas e dificultar a implementação de projetos muito importantes como: o Cacau Cabruca, a clonagem do cacau e o combate às pragas. Com o aumento progressivo do consumo de chocolate, o cacau tende a se tornar cada vez mais escasso e caro, sem contar que existem novas pragas como o fungo moniliophthora roreri, que também tem contribuído para a redução da produção.

Mesmo considerando que a cacauicultura possui um passado de muitas desigualdades sociais, admitimos que a CEPLAC tem uma importância fundamental. Por meio dela, o cacau pode ser uma atividade capaz de promover o desenvolvimento endógeno, ou seja, de acordo com as características da região, respeitando várias espécies da flora e fauna da nossa Mata Atlântica.

Estamos encaminhando à Câmara de Vereadores de Ilhéus uma solicitação para que seja realizada uma sessão pública especial com o objetivo de discutir o tema.

Manifestamos nosso repúdio e insatisfação com o ato da ministra Kátia Abreu. Conclamamos todos os interessados no assunto, assim como os parlamentares da região, Câmaras de Vereadores Municipais, bancadas de deputados baianos, Governo do Estado da Bahia, sindicatos patronais e de trabalhadores rurais, universidades públicas e privadas e a sociedade civil organizada para juntos tentarmos reverter esse decreto nocivo para a região cacaueira.

Página 1 de 41...Última »