WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
Sábado, 25 de Novembro de 2017
cenoe faculdade madre thais

TRIBUNAL NEGA ABSOLVIÇÃO SUMÁRIA DE MARISA LETÍCIA

Da Agência Brasil.

A ex-primeira-dama Marisa Letícia, que faleceu em fevereiro de 2017.

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) negou hoje (21) o pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que fosse declarada a absolvição sumária de Marisa Letícia Lula da Silva em duas ações penais em decorrência da morte dela. Marisa Letícia morreu em fevereiro deste ano. 

Nas ações, o Ministério Público Federal (MPF) acusa o ex-presidente Lula e Marisa Letícia de serem os donos de um apartamento tríplex e de outro imóvel em São Bernardo do Campo (SP), que seriam resultado de pagamento de propina da construtora Odebrecht. O apartamento é ocupado por Lula e outro seria para o Instituto Lula.  

Em março, o juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba, declarou extinta a punibilidade da ex-primeira-dama, porém não decretou a absolvição sumária como solicitou a defesa.

(mais…)

“INTENSIDADE DE REJEIÇÃO” IMPÕE TETO ELEITORAL A LULA, AVALIA SOCIÓLOGO

Felippe Ramos. Imagem: Twitter.

Felippe Ramos. Imagem: Twitter.

Na noite dessa terça-feira (5), em Salvador, o Núcleo de Práticas em Economia e Relações Internacionais da UNIFACS promoveu um debate sobre as crises institucional e política que o Brasil enfrenta.

Um dos convidados do evento, o professor e sociólogo Felippe Ramos teceu especulações a respeito do cenário que se desenha para a eleição presidencial de 2018.

Para ele, as pesquisas recentes já apontam o teto eleitoral do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O último levantamento do Instituto Datafolha, realizado em julho, mostrou o petista com trinta por cento das intenções de voto.

Apesar da liderança nas pesquisas, segundo o sociólogo, a expectativa de votos para o ex-presidente tende a estagnar devido à “intensidade da rejeição” de parte significativa do eleitorado. Esse é “um ponto fundamental para entender quais candidatos terão realmente chance em 2018. Acho que o Lula tem baixas possibilidades”.

Conforme Felippe Ramos, Lula está ciente do grau de dificuldade de uma nova candidatura. Nesse sentido, as viagens do petista pelo nordeste teriam mais relação com a sua defesa na Justiça do que com a próxima corrida ao Palácio do Planalto. “A grande tendência é de que essa caravana sirva para aumentar o seu capital político no caso da [tentativa de] revisão da sua sentença na segunda instância. Isso coloca um peso político muito maior nos desembargadores do Tribunal Regional Federal do Rio Grande do Sul”.

Ao mesmo tempo, a caravana também poderia abrir caminho para um candidato apoiado por Lula. “Seja um [Fernando] Haddad, seja um Ciro [Gomes]”, especulou Ramos.

“MEDO”

O sociólogo avalia que o nome do deputado federal Jair Messias Bolsonaro (PEN-RJ) como presidenciável “mete um pouco de medo”. Ponderou, no entanto, que o partido do parlamentar fluminense “é muito fraco”. Por outro lado, não descartou a possibilidade de vivermos uma experiência parecida com a das últimas eleições dos Estados Unidos, que resultaram na vitória do republicano Donald Trump. “Mas ainda considero a chance [de Bolsonaro] muito baixa”.

Assista a íntegra do debate.

A MASSA IMÓVEL

Lula. Imagem: Ricardo Stuckert.

Lula. Imagem: Ricardo Stuckert.

Por Wilson Gomes/publicado no Facebook do autor

Do que logro a compreender sobre o Brasil contemporâneo, parece certo que para se conseguir demonstrar que as pessoas estão a favor ou contra alguma coisa você precisa colocar 1 milhão de pessoas na Av. Paulista, outro milhão na Candelária ou na Cinelândia e algum número acima de 500 mil na Esplanada dos Ministérios. Essas multidões deveriam ser replicadas, não importa se com números menores, umas três vezes pelo menos. Seria aconselhável também que houvesse multidões, por uns poucos dias, reunidas em Salvador, Belo Horizonte, Fortaleza, Recife, Porto Alegre e Belém. Pronto, seguindo esta receita, você terá uma “voz das ruas” para chamar de sua e um argumento “o povo brasileiro exige que…” cheio de razões para esfregar na cara dos adversários.

Foi assim em 2013, naquilo que os tiozinhos de esquerda se regozijava em chamar de Jornadas de Junho, quando a esquerda começou a suicidar as suas chances de governar. E foi assim em 2016, no Grande Movimento Cívico pelo impeachment, também conhecido como a Revolução dos Patos. Entretanto, mais importante do que as ocorrências das multidões reunidas por demandas políticas foram as AUSÊNCIAS das multidões em momentos ainda mais cruciais. As multidões não apareceram para defender o mandato da presidente recém-eleita, quando este lhe foi arrancado para dar início a “isso tudo que está aí”. Nem apareceram para produzir o empurrãozinho popular necessário para que Temer fosse processado pelo STF. Nem aparecerão agora quando a 55ª Legislatura funciona basicamente como a oficina do capeta e quando a Orcrim a quem os patos entregaram o Executivo desmantela o país.

(mais…)

JUSTIÇA AINDA NÃO PROVOU IMPARCIALIDADE, AFIRMA WILSON GOMES

Professor espera desfecho de processos contra adversários do PT para avaliar imparcialidade do judiciário.

Professor espera desfecho de processos contra rivais do PT para avaliar imparcialidade da Justiça.

O professor de comunicação da UFBA, Wilson Gomes, afirma que é cedo para dizer “que ninguém está acima da lei” no Brasil. O mesmo vale para o otimismo que vê em curso “o amadurecimento das instituições democráticas”.

O pesquisador das relações entre comunicação e política menciona a decisão do caso do triplex, em que o juiz federal Sérgio Moro condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Segundo Gomes, “para que a condenação de Lula signifique/significasse “que ninguém está acima da lei’ e “o amadurecimento das instituições democráticas”, como declararam Marina Silva, ACM Neto e mais duas dezenas de isentos intérpretes dos fatos do mundo, precisaríamos ver condenados Aécio, Temer, Jucá e mais uma dúzia de cabeças coroadas da República. Enquanto isso não acontece, se é que vai acontecer, a condenação de Lula pode significar muitas coisas diferentes disto, inclusive o que alegam os lulistas e do que desconfiam muitos não partidários: seletividade, parcialidade, perseguição, antipetismo”.

“Seguramente”, continua o professor da UFBA, “a coincidência temporal entre Lula condenado e Michel Miguel comprando, com o nosso dinheiro, o privilégio de sequer ser julgado pelo STF, não beneficia muito a lição de moral sobre a Lei que alcança todos do lúgubre Dr. Moro. Nem o fato de toda a peça acusatória contra Miguel Miguel ter vindo de Rodrigo Janot e não dos Intocáveis de Curitiba, concentradíssimos em Lula, beneficia muito a tese de que não temos acusados de estimação. Nem vou comentar o conluio PMDB-PSDB que salvou Aécio na Comissão de Ética & Decoro, nem os votos e outras bizarras decisões do bizarro juiz do TSE e do STF cujo nome não pode ser pronunciado”.

Por outro lado, o professor diz que não mantém a mesma convicção dos que acreditam piamente na defesa de Lula.

“Também não tenho as certezas da inocência de Lula que tantos dos meus amigos exibem. Considero muito quem as tem, não sei como as conseguiram, mas de onde eu poderia recolher certezas com este alcance? Cético por instinto, tendo a retardar o meu julgamento sobre paradinhas deste tipo. Aparentemente, preciso de mais tempo do que a maioria das pessoas para formar um juízo sobre Lula e o Esquema Petrobrás e Construtoras. Por enquanto, o sentimento (e o pressentimento) não é bom, mas sigo prestando atenção. E desconfiando dos que que até já ultrapassaram a fase da certeza e estão agora na fase da indignação e da tomada de providências”, concluiu Wilson Gomes, em comentário publicado no Facebook.

DEFESA DE LULA TENTOU INTIMIDAR A JUSTIÇA, AFIRMA MORO

O juiz Sérgio Moro e o ex-presidente Lula.

O juiz Sérgio Moro e o ex-presidente Lula.

Na decisão de 260 páginas em que condenou ontem (12) o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o juiz federal Sérgio Moro disse que a defesa de Lula agiu para intimidar a Justiça.

Moro cita como exemplo a queixa-crime que a defesa do ex-presidente apresentou contra ele. Na denúncia, os advogados afirmaram que o juiz cometeu abuso de autoridade quando determinou a condução coercitiva de Lula em março de 2016 e quebrou o sigilo telefônico da conversa entre o líder petista e a ex-presidente Dilma Rousseff. O Tribunal Regional Federal da 4ª Região não acolheu a denúncia.

Por outro lado, o magistrado afirma que pode ter “errado” ao levantar o sigilo da gravação, já que essa medida caberia ao Supremo Tribunal Federal, pois envolvia a então presidente da República.

O juiz também menciona o processo movido pelo ex-presidente contra o procurador da República Deltan Dallagnol, que atua na força-tarefa da Operação Lava Jato. O caso remete ao episódio conhecido como “powerpoint”, em que o procurador disse que Lula seria o chefe do esquema de corrupção na Petrobras.

“São condutas inapropriadas e revelam tentativa de intimidação da Justiça, dos agentes da lei e até da imprensa, para que não cumpram o seu dever”, argumentou Moro.

O juiz condenou o ex-presidente a nove anos e seis meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva e de lavagem de dinheiro. Cabe recurso.

Moro decidiu não determinar a prisão imediata de Lula, considerando o recurso da defesa à segunda instância e o “trauma” social que a medida poderia causar. 

WILSON GOMES: “PT VIVE DE PREVER PROTESTOS, SÓ NÃO SABE REALIZÁ-LOS”

Wilson Gomes.

Wilson Gomes.

Matéria do portal Brasil 247 informa que o Partido dos Trabalhadores “prevê protestos em todo o Brasil caso Lula seja condenado por Moro”. Hoje (4), ao comentar a notícia na internet, o professor Wilson Gomes ironizou o vaticínio petista. 

“O PT vive de prever protestos, só não sabe como realizá-los. Até hoje estou esperando “o povo na rua” previsto para impedir que Dilma fosse expulsa do cargo pelo Congresso”, comentou.

Wilson Gomes é professor da Universidade Federal da Bahia, onde coordena pesquisas sobre comunicação e política. Para ele, atualmente, “a esquerda comanda a massa, mas só na própria imaginação”.

Enquanto imagina protestos grandiosos, continua o professor, “a esquerda não consegue nem botar um milhão em alguma avenida do Rio ou de São Paulo, que é o que falta para cair o bamboleante [presidente Michel] Temer, quanto mais garantir ‘protestos em todo o Brasil’ na hipótese da prisão de Lula”.

O professor está longe de ser um antipetista. Em muitas oportunidades, critica duramente as insanidades do antipetismo. Foi assim em fevereiro deste ano, quando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se despediu de Dona Marisa Letícia, sua companheira por décadas. Na ocasião, das redes sociais brotaram palavras de ódio contra toda a família Lula.

Em resposta, o professor da Faculdade de Comunicação da UFBA descreveu o ódio que o  antipetismo sempre reservou a Lula. “Uma parte da sociedade brasileira nunca se cansa de mostrar a Lula o seu lugar. E de reclamar, histérica, quando ele, impertinente, não faz o que ela quer. Tem sido assim. Lula já foi insultado de analfabeto, nordestino, cachaceiro, ignorante e aleijado, muito antes de ser chamado de corrupto e criminoso. A cada doutorado honoris causa de Lula choviam ofensas e impropérios porque ele não tinha todos os dedos, porque era o apedeuta, porque era um peão. Qualquer motivo para odiá-lo sempre foi bom o bastante para uma parte da sociedade”, escreveu Wilson Gomes.

PF INDICIA LULA POR SUPOSTA VENDA DE MEDIDA PROVISÓRIA

Ex-presidente Lula. Imagem: Instituto Lula.

Ex-presidente Lula. Imagem: Instituto Lula.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é alvo de nova investigação criminal. A Polícia Federal abriu inquérito para apurar a suposta venda de Medidas Provisórias durante os governos do PT. As investigações ocorrem no âmbito da Operação Zelotes, que se concentra em fraudes contra a Receita Federal.

Segundo o jornal Estadão, outros doze investigados também foram indiciados. Entre eles, os ex-ministros Gilberto Carvalho e Erenice Guerra e os empresários Carlos Alberto de Oliveira Andrade, da CAOA, e Paulo Ferraz, da Mitsubishi. Todos negam o envolvimento em atos ilícitos.

No caso do ex-presidente , a investigação aponta  para a MP 471, a MP do Refis, que ampliou incentivo fiscal às montadoras e fabricantes de veículos das regiões Norte, Nodeste e Centro-Oeste. O benefício seria extinto em 31 de março de 2010, mas acabou esticado para 31 de dezembro de 2015.

PUBLICITÁRIO JOÃO SANTANA DIZ QUE LULA SABIA DE CAIXA 2

Dilma Rousseff, João Santana e Lula durante a campanha de 2010.

Dilma Rousseff, João Santana e Lula durante a campanha de 2010.

Da Agência Brasil

O publicitário João Santana, responsável pela campanha à reeleição do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2006, disse ter ficado claro, em reuniões com o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci, que Lula tinha conhecimento sobre o uso de recursos de caixa 2 na campanha.

O casal de publicitários João Santana e Mônica Moura firmou acordo de delação premiada com a Justiça, cujo teor teve o sigilo retirado hoje (11) pelo ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF). De acordo com o texto do anexo 2 da delação de Santana, em que é resumido o teor do depoimento, Palocci foi o responsável pela negociação dos termos do contrato da Pólis, empresa de marketing do casal.

“Nesses encontros ficou claro que Lula sabia de todos os detalhes, de todos os pagamentos por fora recebidos pela Pólis, porque Antonio Palocci, então ministro da Fazenda, sempre alegava que as decisões definitivas dependiam da ‘palavra final do chefe’”, diz o texto.

(mais…)

LULA OSCILA ENTRE “FORTÃO” QUE MANDA PRENDER E “FRAQUINHO” MASSACRADO

Ex-presidente Lula. Imagem: Rahel Patrasso/Xinhua.

Ex-presidente Lula. Imagem: Rahel Patrasso/Xinhua.

Por Elio Gaspari/publicado hoje na Folha de S. Paulo

Só Lula e Sérgio Moro sabem o que acontecerá durante a audiência de Curitiba. Se o depoimento anterior do ex-presidente a um juiz federal de Brasília puder ser tomado como referência, “Nosso Guia” transformará a cena num comício.

Numa audiência em que se tratava da tentativa de obstrução da Justiça para impedir a colaboração de Nestor Cerveró, Lula informou que liderou “as greves mais importantes deste país”, fundou o “mais importante partido de esquerda da América Latina” e “fez a maior política de inclusão social da história deste país”. Enfim, foi “o mais importante presidente da história deste país”.

É improvável que lhe seja franqueado esse passeio, pois em depoimentos anteriores o juiz Moro cortou divagações semelhantes. Ele já chegou a bater boca com a defesa de Lula.

Na semana passada, dizendo-se “massacrado” pelas investigações da Lava Jato e pelo noticiário da imprensa, Lula subiu o tom de sua retórica, levando-a a um patamar inédito. Num evento do PT disse que, “se eles não me prenderem, quem sabe um dia eu mando prender eles por mentir”.

(mais…)

ENTRE O “VOLTA, LULA” E O “VEM, BOLSONARO”

Datafolha mostrou o ex-presidente Lula e o deputado federal Bolsonaro bem colocados para a disputa presidencial.

Datafolha aponta Lula e Bolsonaro bem colocados para a disputa presidencial.

Por Wilson Gomes

wilson gomesAgora que os ânimos estão mais serenos, alguns argumentos sobre a última sexta-feira e os seus desdobramentos.

1) Há que se fazer uma distinção entre paralisação de atividades e manifestações de protesto.

2) O sujeito pode aderir a uma paralisação e não ir à rua protestar. No Brasil, hoje, só protestam a direita e a esquerda. A direita vai de boa, no feriado, numa grande e organizada procissão de patos e faixas. Ir aos protestos da esquerda, entretanto, tornou-se atividade de risco, porque é quase certo de que vai haver violência.

3) Um problema político central hoje é quem consegue levar o centro para a sua manifestação. A direita, depois de muito tentar, conseguiu fazer isso em 2016. A esquerda, aparentemente, quer só a própria companhia. Vai à rua fazer as esquerdices de sempre, esquecendo-se de que o desapreço social pela esquerda é hoje uma força política devastadora. A direita se camuflou de centro e marcou um golaço no ano passado, enquanto a esquerda, agora magoada, voltou à velha mitologia do “nós, os puros, conseguiremos sozinhos”. Ocorre que sem o centro, meus amigos, não se vai a lugar algum, nem nas ruas nem nas urnas.

(mais…)

NA DEGRADAÇÃO COLETIVA NÃO HÁ REDENÇÃO MORAL PARA O PT

wilson-gomes-destPor Wilson Gomes

Vou dizer de outro modo, na esperança de ser melhor compreendido: amigos, entendam, não vai haver reabilitação moral do PT para a o opinião popular. Não importam os fatos, as imagens públicas predominantes do PT, de Dilma e de Lula estão irremediavelmente comprometidas. Não há redenção política possível, mesmo que (o que não é o caso) a revelação dos Esquemas das Empreiteiras provassem que todos os que conspiraram contra Dilma e todos os detratores de Lula constituem a mais desprezível escumalha política nacional. Para a percepção pública dominante, que pode não ser sofisticada mas tem lá a sua lógica, o PT é o objeto simbólico que condensa e representa “tudo o que de errado há na política”.

E não adianta insistir que os antipetistas do sistema político são uma escória abjeta, atestada e certificada pela exibição dos porões da Odebrecht. Acreditem, quanto mais se remexer no lodo político, mostrando toda sorte de animais que vivem dele, mais cresce a rejeição ao PT, por mais paradoxal que isso lhes possa parecer. Para vocês, o PT, Dilma e Lula foram VÍTIMAS do conluio de sistema político degradado. Para a percepção pública, hoje, o PT, Dilma e Lula SÃO o sistema político brasileiro em sua natureza mais degradada. Queriam que as pessoas odeiem Serra, Aécio e Eduardo Cunha? Pois bem, as pessoas estão desprezando de coração Serra, Aécio e Eduardo Cunha, mas isso não diminuiu, antes, aumentou, o ódio ao PT. Lamento ser eu a lhes dizer que puxar Serra, Aécio e Cunha para baixo não está erguendo o PT. Nem vai. O telejornal diz que Serra recebeu milhões de uma empreiteira, mas as pessoas gritam “fora PT”.

(mais…)

PESQUISA: MORO SÓ PERDE PARA LULA NO NORDESTE

O juiz Sérgio Moro e o ex-presidente Lula.

O juiz Sérgio Moro e o ex-presidente Lula.

Da coluna Painel

É um ou outro Pesquisa qualitativa encomendada por um governador do Nordeste mostrou que, quando o eleitor foi instado a citar um nome para o Planalto que não o do ex-presidente Lula, quem apareceu como primeira opção foi o juiz Sergio Moro.

Outra canoa Lindbergh Farias vem perdendo apoio para a presidência do PT. Integrantes do Novo Rumo que demonstravam simpatia ao senador mudaram de lado.

É lucro Fernando Haddad estava na plateia da peça “5 X Comédia”, sábado (15), e foi citado por Bruno Mazzeo nos agradecimentos. O ator brincou que o petista será muito bem recebido se se mudar para o Rio. Houve aplausos discretos, mas nenhuma vaia.

Leia a coluna na íntegra aqui.

Página 1 de 41...Última »