embasa


maio 2016
D S T Q Q S S
« abr    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  
transporte ilegal

:: ‘Polícia Federal’

PF INDICIA CACIQUES DO PP BAIANO NA LAVA JATO

Mário Negromonte, Mário Negromonte Júnior e Roberto Britto teriam sido beneficiados por dinheiro desviado da Petrobras.

Mário Negromonte, Mário Negromonte Júnior e Roberto Britto teriam sido beneficiados por dinheiro desviado da Petrobras.

Nessa segunda-feira (21), a Polícia Federal informou que indiciou por corrupção passiva o ex-ministro Mário Negromonte e os deputados federais Mário Negromonte Júnior e Roberto Britto, figuras importantes do Partido Progressista na Bahia.

Além do indício de corrupção, eles são suspeitos de praticar de lavagem de dinheiro. Outros deputados federais do PP também foram indiciados: José Otávio Germano (RS) e Luiz Fernando Ramos Faria (MG). Todos teriam sido beneficiados por dinheiro desviado em contratos superfaturados da Petrobras.

O caso de Negromonte Júnior é ainda mais complicado. De acordo com a Polícia Federal, indícios sugerem que ele tentou obstruir as investigações com ameaça velada a “integridade física do ex-deputado João Argôlo e seus familiares, na tentativa de evitar que ele fizesse acordo de delação premiada”.

A Procuradoria Geral da República vai analisar se há provas consistentes para denunciá-los ao Supremo Tribunal Federal.

O advogado dos Negromonte, Carlos Fauaze, afirmou que não há indícios suficientes para o indiciamento apenas com base nas delações premiadas. “Confiamos que a PGR fará uma leitura diferente [da feita pela PF] desses autos”, disse.

O advogado Evânio José de Moura Santos, que representa Roberto  Britto, alegou que a PF age de modo precipitado. Segundo ele, o nome de Britto foi citado por Youssef como integrante de uma lista de beneficiários de propina, mas isso não foi provado.

Os representantes dos outros indiciados preferiram não comentar a decisão da PF.

Com informações do jornal Estado de S. Paulo.

CONDUÇÃO COERCITIVA DE LULA FOI “ESPETACULOSA”, DIZ JURISTA

Diogo Tebet. Imagem: GloboNews.

Diogo Tebet. Imagem: GloboNews.

Entrevistado no programa Estúdio i, da GloboNews, o jurista Diogo Tebet declarou que a condução coercitiva do ex-presidente Lula, realizada hoje pela Polícia Federal, foi “espetaculosa” e “truculenta”.

Segundo Tebet, o mandado de condução coercitiva deve ser usado como último recurso, quando a testemunha ou o investigado se nega a prestar depoimento sem apresentar justificativa, o que não ocorreu com Lula no âmbito das investigações do Ministério Público Federal no Paraná.

Para o advogado criminalista, a Operação Lava Jato tem sido marcada por intervenções da política sobre as práticas judiciárias.

O jornalista Fernando Gabeira, que também participa do Estúdio i nessa tarde, discordou do jurista. Para ele, não houve truculência.

Em vídeo veiculado pela GloboNews, Lula afirmou, após prestar depoimento nessa manhã, que foi em janeiro a Brasília para se dispor a esclarecer os dados das investigações que envolvem seu nome. De acordo com o ex-presidente, a operação Lava Jato promove um “show e um espetáculo de pirotecnia”.

MINISTRO REAGE À CONDUÇÃO COERCITIVA DE LULA: “VIOLÊNCIA”

Ministro Miguel Rossetto.

Ministro Miguel Rossetto.

O Ministério do Trabalho e Previdência Social divulgou nota sobre a condução coercitiva do ex-presidente Lula na manhã dessa sexta-feira (4). O ministro Miguel Rossetto afirmou que está “perplexo e indignado”. Rossetto se referiu a Lula como presidente.

“O presidente Lula já prestou depoimento e sempre se colocou à disposição das autoridades. Isso não é justiça, isso é uma violência. Rossetto disse ainda que a ação é um claro ataque ao que Lula representa, como uma liderança política e social”. 

PF FAZ BUSCA NA CASA DE LULA E LEVA EX-PRESIDENTE PARA DEPOR

Imagem da FolhaPress.

Imagem da FolhaPress.

Da Folha de S. Paulo

A Polícia Federal realiza na manhã desta sexta-feira (4) a 24ª fase da Operação Lava Jato no prédio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de seu filho Fábio Luíz Lula da Silva –também conhecido como Lulinha. Essa fase da operação, batizada de Aletheia, apura se empreiteiras e Bumlai favoreceram Lula por meio do sítio em Atibaia e o tríplex no Guarujá.

Lula foi levado. O ex-presidente é alvo de mandado de busca e apreensão e de condução coercitiva (quando o investigado é obrigado a depor). Os carros da PF chegaram às 6h à sua casa, em São Bernardo. Quatro carros entraram na garagem do prédio e cerca de dez agentes ficaram na portaria. Os advogados dele tinham entrado com habeas corpus para evitar a medida, mas ele valia só para São Paulo, e não para Curitiba, de onde despacha o juiz Moro.

Cerca de 200 agentes da PF e 30 auditores da Receita Federal cumprem, ao todo, 44 mandados judiciais, sendo 33 mandados de busca e apreensão e 11 de condução coercitiva no Rio de Janeiro, em São Paulo e na Bahia.

São investigados crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, entre outros, relacionados à Petrobras. A determinação da busca e apreensão é do juiz federal Sergio Moro, de Curitiba.

:: LEIA MAIS »

PF INVESTIGA FHC POR ENVIO DE DINHEIRO A EX-AMANTE

Da Folha de S. Paulo

A Polícia Federal abriu nesta sexta-feira (26) um inquérito para apurar declarações de Mirian Dutra, que foi amante do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

A PF investigará se houve crime de evasão de divisas.

FHC e Mirian Dutra.

FHC e Mirian Dutra. Imagens: Folhapress e Youtube.

A jornalista disse, em entrevista à Folha, que o ex-presidente custeou parte de despesas dela e do filho, Tomás, no exterior, por meio da Brasif, empresa que administrava free shops em aeroportos brasileiros.

Ela contou que foi contratada pela Eurotrade, que era da Brasif, por US$ 3.000 mensais, entre 2002 e 2006, mas que nunca trabalhou para os free shops.

Em nota, o ex-presidente disse que todas as suas operações financeiras internacionais foram feitas a partir de contas bancárias declaradas, com recursos próprios.

“A empresa citada no noticiário já esclareceu que o presidente não teve qualquer participação na contratação da jornalista. Apesar de não haver nada de que possa ser incriminado e de o assunto ser de âmbito privado, o presidente prestará todos os esclarecimentos que se fizerem necessários.”

POLIMÍDIA

Segundo Dutra, o lobista Fernando Lemos acertou os detalhes da remuneração.

A Brasif contratou os serviços da empresa de Lemos, a Polimidia, entre 1993 e 2010, período que abrange o tempo de FHC no Palácio do Planalto.

Lemos, que faleceu em 2012, foi casado com a irmã de Mirian Dutra. Sob seu comando, a Polimidia floresceu na década de 90 e se tornou uma das mais influentes empresas de gestão de crise da capital federal.

RELACIONAMENTO

Mirian e o ex-presidente tiveram relacionamento extraconjugal por seis anos, nas décadas de 1980 e 1990.

:: LEIA MAIS »

EFEITOS SECUNDÁRIOS

janio de freitasPor Janio de Freitas/publicado ontem na Folha de S. Paulo

Um mistério, mas nem tanto. O juiz Sergio Moro expôs por escrito, os procuradores falaram à vontade, representantes da Polícia Federal falaram também, mas ninguém disse o essencial para dar sentido a essa operação 23 da Lava Jato: por que, afinal de contas, o marqueteiro João Santana “recebeu propina” US$ 3 milhões da Odebrecht, se nada tem a ver com intermediação de contratos da Petrobras, nem se sabe de outras atividades suas que expliquem comissões da empreiteira?

Também não há, nas tantas palavras daquelas vozes da Lava Jato, nenhum indício, consistente ou não, de que o dinheiro da Odebrecht no exterior seja proveniente da Petrobras, como “desconfiam”. Nem que tenha qualquer relação com campanha no Brasil.

A falta até de mínima sustentação das exposições de Sergio Moro, no próprio decreto de prisão de Santana e Mônica, como nas falas dos procuradores e policiais é nada menos do que escandalosa. Ou deveria sê-lo.

O jornalista Fernando Molica levantou, para sua coluna no carioca “O Dia”, o uso de determinadas palavras no decreto de prisão do casal. Sergio Moro diz ser algo “possível” 19 vezes. “Já ‘possivelmente’ foi escrita em 3 ocasiões, ‘provável’ em 5. Moro utilizou alguns verbos no futuro do pretérito: ‘seria’ aparece 14 vezes; ‘tentar/tentariam’ merecem 16 aparições”.

Ou seja, o piso do decreto de Moro é o texto das vaguidões, das inexistências e dos pretendidos ilusionismos.

Anterior por poucos dias, o outro caso gritante na última semana fez Hélio Schwartsman considerar cabível a hipótese de que, suscitada em momento de ataque mais agudo a Lula, a história de Fernando Henrique com Mirian Dutra emergisse como um chamariz das atenções. Em tal limite, e sem ameaçar suas veracidades, a hipótese é admissível. E, por força, desdobra-se em outra.

Ainda que Sergio Moro, os procuradores e a PF dispusessem de elementos convincentes para a prisão de Santana e Mônica, seria preciso fazê-la com a urgência aplicada? Nenhum fato a justificou. O risco de fuga era zero, já estando ambos no exterior. Mas o problemático assunto das remessas e contas externas de Fernando Henrique foi sufocado com mais facilidade. Não que se pudesse esperar um tal assunto levado a sério: a Procuradoria Geral da República, os procuradores e a Polícia Federal não foram capazes de emitir, dirigida à população como devido, sequer uma palavra a respeito. Mas sempre poderia ocorrer algum desdobramento a exigir mais para sufocá-lo.

:: LEIA MAIS »

PF E PM DESTROEM ALDEIA INDÍGENA NO PRADO

Imagem: CIMI.

Imagem: CIMI.

A informação é da Rádio Yandê. De acordo com o veículo, no último dia 19, a ação de reintegração de posse realizada por policiais federais e militares destruiu o posto de saúde, a escola e moradias da Aldeia Cahy, no distrito de Cumuruxatiba, no município de Prado, litoral sul da Bahia. A comunidade é habitada pelo Povo Pataxó. Apesar do mandado judicial e da truculência das polícias, os indígenas pretendem resistir no local.

Relatório da FUNAI publicado em julho de 2015 reconheceu a área de 28 mil hectares como a Terra Indígena Comexatibá. A Portaria 1018 foi expedida pela Presidência da República no dia 16 de junho de 2015.

Segundo a Rádio Yandê, o território ocupado tradicionalmente pelos indígenas é alvo da especulação imobiliária e de empreendimentos turísticos.

Entidades estudantis, docentes e indígenas publicaram nota de repúdio à truculência da ação policial. Leia a íntegra.

NOTA DE REPÚDIO A AÇÃO DA POLÍCIA FEDERAL NA COMUNIDADE DE COMEXATIBA KAÍ PEQUÍ PATAXÓ

Nós, aliados da luta indígena, viemos por meio dessa nota REPUDIAR E DENUNCIAR a violência da ação truculenta da Polícia Federal a mando da União com uma ação judicial de reintegração de posse da Terra Indígena Comexatiba Kaí Pequí Pataxó, área que fica localizada no distrito de Cumuruxatiba no Prado, Bahia na tarde de 19 de janeiro de 2016. Tal atividade do Estado demonstra um TOTAL DERESPEITO com as Comunidades e demandas Indígenas bem como a prática de RACISMO AMBIENTAL dentro das instituições governamentais, uma vez que no dia 27 de julho de 2015, o mesmo Governo Federal através da FUNAI reconhece e aprova o território (28 mil hectares, onde vivem cerca de 732 pessoas) como Terra Indígena no Diário Oficial da União, processo: 08620.015274/2014-48, como reproduzimos abaixo:

:: LEIA MAIS »

HOMEM É PRESO COM DINHEIRO FALSO EM ILHÉUS

Marco.

Marco.

Guarnição da 68ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIMP) prendeu ontem (12) à noite um homem com três cédulas falsas de cem reais.

As três cédulas de cem reais na parte de baixo da imagem são falsas, segundo a PM. Imagem: Polícia Militar.

As três cédulas na parte de baixo da imagem são falsas. Imagem: Polícia Militar.

De acordo com a PM, Marco Antonio Dias, 33 anos, foi acusado de tentar usar o dinheiro falso para em compras no centro de Ilhéus. Os policiais militares o apresentaram na unidade da Polícia Federal. 

PERITOS REFORÇAM ALERTA SOBRE FALHAS NA FISCALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE BARRAGENS

Rompimento da barragem do fundão em Mariana deixou cenário de muita lama e destruição. Imagem: Antonio Cruz/Agência Brasil.

Rompimento da barragem do fundão em Mariana deixou cenário de muita lama e destruição. Imagem: Antonio Cruz/Agência Brasil.

Da Agência Brasil

Cerca de 20 peritos criminais federais estão participando das investigações da Polícia Federal sobre o rompimento de uma barragem de rejeitos da mineradora Samarco, no dia 5 de novembro do ano passado, no município de Mariana, em Minas Gerais. Trabalho similar foi feito em 2003 na cidade mineira de Cataguases, onde, em 29 de março daquele ano, rompeu-se uma barragem com resíduos industriais sob responsabilidade da Indústria Cataguases de Papel.

Na época, o Laudo 1.362/2003, do Instituto Nacional de Criminalística (INC), identificou como causas do acidente problemas como a falta de manutenção e de fiscalização e o excessivo prolongamento da vida útil da barragem, o que resultou em um processo erosivo da obra. Segundo o laudo, a barragem tinha sido edificada em 1990 com uma estrutura provisória, que deveria durar apenas dois anos.

De acordo com a Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF), caso os alertas feitos pelos peritos – em especial os relativos à falta de fiscalização – tivessem sido ouvidos pelas autoridades, a tragédia ocorrida em Mariana poderia ter sido evitada, uma vez que é o poder público o responsável pela fiscalização de outras barragens.

:: LEIA MAIS »

PF APREENDE CELULAR DE EDUARDO CUNHA

Cunha.

Cunha.

Do G1

A Polícia Federal apreendeu nesta terça-feira (15) o celular do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), em uma das ações da Operação Catilinárias.
 
De acordo com a PF, foram expedidos 53 mandados de busca e apreensão, referentes a sete processos da Lava Jato. O principal objetivo dos policiais é evitar que investigados destruam provas.
 
A polícia também cumpriu mandado de busca e apreensão nos endereços do deputado federal Aníbal Gomes (PMDB-CE) e dos ministros Celso Pansera (PMDB-RJ), de Ciência e Tecnologia, e Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), do Turismo. Mandados também foram cumpridos na sede do PMDB em Alagoas e na Câmara dos Deputados.

Os senadores Edison Lobão (PMDB-MA), ex-ministro de Minas e Energia, e Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) também são alvos da operação desta terça.
 
Os mandados estão sendo cumpridos no Distrito Federal (9), em São Paulo (15), Rio de Janeiro (14), Pará (6), Pernambuco (4), Alagoas (2), Ceará (2) e Rio Grande do Norte (1). Segundo informado ao blog,  foram apreendidos documentos e computadores.

QUEM É DELCÍDIO DO AMARAL, SENADOR PRESO PELA PF

Imagem: Jane Araújo/Agência Senado.

Imagem: Jane Araújo/Agência Senado.

Da CartaCapital

O senador Delcídio do Amaral (PT-MS), preso na manhã desta quarta-feira 25 pela Polícia Federal, é uma figura política controversa e conhecida por seu bom trânsito em diversos partidos. Exemplo disso é o fato de ser conhecido nos bastidores do Senado, como contou recentemente o jornal O Globo, como “o mais tucano dos petistas”.

Engenheiro elétrico, Delcídio tem uma carreira ligada ao setor de energia. Foi engenheiro-chefe da construção da hidrelétrica de Tucuruí, no Pará; trabalhou como diretor da Shell na Holanda; e comandou a Eletrosul, braço da Eletrobrás. No governo de Itamar Franco (1992-1994), foi secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, ministro da pasta e presidente do Conselho de Administração da Vale do Rio Doce. 

Em 1998, Delcídio assinou sua filiação ao PSDB, mas seu ingresso no partido não chegou a ser homologado. Durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, foi diretor de Gás e Energia da Petrobras entre 2000 e 2001, quando trabalhou com Nestor Cerveró e Paulo Roberto Costa, dois dos delatores da Operação Lava Jato.

:: LEIA MAIS »

PF PRENDE ACUSADOS DE FRAUDAR PREVIDÊNCIA SOCIAL EM IBIRATAIA

Imagem ilustrativa.

Imagem ilustrativa.

Com o apoio das polícias Civil e Militar e do Ministério do Trabalho, a Polícia Federal prendeu ontem (24) em Ibirataia cinco acusados de fraudar a Previdência Social. De acordo com a PF, eles usaram documentos falsos para solicitar benefícios previdenciários. 

Conforme os investigadores, eles falsificaram certidões de nascimento “para requerer amparo social ao idoso e pensão por morte, bem como falsificação de documentos de identidade e CPF”.

A Polícia Federal, após articulação com a Policia Civil, Policia Militar e Ministério do Trabalho e Previdência, efetuou ontem, 24, a prisão de 05 pessoas que tentavam fraudar a Previdência Social ao requerer benefícios previdenciários, por meio da utilização de documentos falsos, na Agência da Previdência Social em Ibirataia.

Os envolvidos serão indiciados pelos crimes de tentativa de estelionato, uso de documento falso e formação de quadrilha. A PF não divulgou os nomes dos acusados.

POLICIAIS APREENDEM 3 TONELADAS DE MACONHA EM CANARANA

Imagem: Polícia Militar da Bahia.

Imagem: Polícia Militar da Bahia.

Na manhã de domingo (27), uma ação conjunta da Polícia Militar, Polícia Federal, Polícia Civil e Superintendência de Inteligência da Secretaria Estadual de Segurança Pública resultou na apreensão de uma carreta que transportava cerca de 3 toneladas de maconha. Os policiais interceptaram o veículo no município de Canarana, no sertão baiano.

A droga estava no fundo falso do compartimento de carga. Carlos Alberto Vieira conduzia a carreta e foi preso em flagrante.

Os policiais também prenderam Paulo Pereira Amorim e Edmilson da Silva Lopes. Eles são acusados de fazer parte da quadrilha responsável pelo transporte da droga. Foram presos quando dirigiam um segundo veículo que, segundo a polícia, era usado para escoltar o caminhão. “Paulo de Magnólia”, como é mais conhecido, era procurado em quatro estados por ser acusado de crimes como tráfico e assalto a bancos.

De acordo com a polícia, o quarto membro da quadrilha, Thyago Basso Bueno, foi preso em Irecê. 

PF PRENDE EX-MINISTRO JOSÉ DIRCEU

Dirceu.

Dirceu.

A Polícia Federal prendeu nessa manhã em Brasília o ex-ministro José Dirceu. O juiz Sérgio Moro, responsável pelas ações penais da Operação Lava Jato, decretou a prisão preventiva.

Dirceu é suspeito de receber propinas de empreiteiras disfarçadas na forma de consultoria, por meio da sua empresa JD Assessoria (já desativada).

Condenado na Ação Penal 470 (mensalão), Dirceu já cumpria prisão domiciliar.

Com informações do Estadão.

LAVA JATO: PF NAS CASAS DE JOÃO LEÃO E MÁRIO NEGROMONTE

João Leão e Mário Negromonte.

João Leão e Mário Negromonte.

A Polícia Federal cumpre nessa manhã (14) onze mandados de busca e apreensão na Bahia, no âmbito das operações Lava Jato e Politeia. Dois caciques do PP baiano estão na mira das investigações, o vice-governador e ex-deputado João Leão e Mário Negromonte, conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios e ex-ministro das cidades.

Adarico Negromonte, irmão do ex-ministro, se entregou à polícia em novembro de 2014, durante a sétima fase da Operação Lava Jato. Nessa manhã, a PF revistou a residência de Mário Negromonte no prédio Maurice Ravel, no Alto do Itaigara, em Salvador, além do gabinete do conselheiro no TCM.

João Leão declarou que estava “cagando e andando” quando seu nome apareceu na delação premiada do doleiro Alberto Youssef. Ele é um dos investigados pela Operação Politeia, decorrente de inquéritos da Lava Jato e específica para os políticos com foro privilegiado. Agentes federais cumprem mandado de busca e apreensão na sua casa, no condomínio Foz do Joanes, em Buraquinho.

Com informações do Bahia Notícias.

PF VASCULHA CASA DO SECRETÁRIO FREDERICO VÉSPER

Frederico Vésper.

Frederico Vésper.

A informação é do Blog Agravo. Segundo o veículo, a Polícia Federal cumpriu hoje (13) mandado de busca e apreensão na casa do secretário de relações institucionais da Prefeitura de Ilhéus, Frederico Vésper. Os policiais recolheram documentos na residência situada na Avenida Petrobras e ouviram o depoimento do gestor público na unidade da PF em Ilhéus.

De acordo com o Agravo, a revista ocorreu no âmbito da “Operação Águia de Haia” e remete ao período em que Frederico Vésper foi chefe de gabinete da Prefeitura de Buerarema. A reportagem do site tentou ouvi-lo, mas, ele não quis falar.

A operação investiga o desvio de recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) por meio de fraudes em licitações. As investigações abrangem dezoito municípios baianos, mineiros e paulistas. Duas pessoas foram presas na Bahia, em Salvador e Camaçari. A PF estima que o esquema deixou um rombo de R$ 57 milhões nos cofres públicos.

O prefeito de Ilhéus, Jabes Ribeiro (PP), entregou o comando da secretaria a Frederico Vésper no último dia 3 de junho. Ele substituiu o ex-secretário e ex-vereador Jailson Nascimento.



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia