WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

sebrae hospital sao jose


impacto cred

transporte ilegal
julho 2017
D S T Q Q S S
« jun    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

:: ‘Porto do Malhado’

PORTO DO MALHADO JÁ RECEBEU 53 MIL TONELADAS DE CACAU EM 2017

Navio Trammo Independent trouxe a remessa mais recente. Imagem: CODEBA.

Navio Trammo Independent trouxe a remessa mais recente. Imagem: CODEBA.

No primeiro quadrimestre deste ano, Cargill, Olam e Barry Callebaut, fabricantes de chocolate que atuam no sul da Bahia, já importaram 53 mil toneladas de amêndoas de cacau de Gana, país africano.

A remessa mais recente, de 23 mil toneladas, chegou na última segunda-feira (17). O Porto do Malhado, em Ilhéus, é o canal de entrada do produto na região.

PORTO DO MALHADO EXPORTA CARGA DE 30 MIL TONELADAS DE SOJA

Navio

Carregamento do navio Mallika Naree começou nessa segunda-feira. Imagem: Codeba.

O Porto do Malhado, em Ilhéus, vai ser o canal para a exportação de uma carga de 30 mil toneladas de soja para a Itália. O carregamento do navio Mallika Naree começou nessa segunda-feira (17).

Segundo a Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba), a exportação é executada pela Agência Intermarítima, e o grão, fornecido pela Gavilon, empresa dos Estados Unidos.

No ano passado o terminal exportou quase 62 mil toneladas de soja. A exportação desse produto a partir do território brasileiro cresceu 24% no primeiro trimestre de 2017 em relação ao mesmo período de 2016. O terminal ilheense já registra os sinais positivos do crescimento. “A mesma operação de soja vai se repetir no mês de maio, contribuindo ainda mais para o dinamismo no Porto de Ilhéus”, informa a gerente do porto, Bárbara Laudano.

JUSTIÇA SUSPEITA QUE ESPIGÕES AGRAVARAM IMPACTOS DO PORTO DO MALHADO

Juiz federal exige estudos sobre os impactos do Porto do Malhado. Imagens: José Nazal e Instituto Nossa Ilhéus.

Juiz federal exige estudos sobre os impactos do Porto do Malhado. Imagens: José Nazal e Instituto Nossa Ilhéus.

Em primeira mão.

Moradores da zona norte de Ilhéus afetados pelas obras do Porto do Malhado fizeram uma manifestação pacífica no último dia 22 de agosto. Era uma tarde de segunda-feira, vestiam camisas pretas com o número de uma ação civil pública iniciada em 2010.

Além do número da ação, as camisas traziam uma pergunta: “Cadê o resultado?”. A Justiça Federal respondeu nessa terça-feira (6), quando o juiz Wilton Sobrinho da Silva acolheu os pedidos do Ministério Público Federal.

O juiz determinou “a realização de perícia com a finalidade de elaborar estudos para identificação de obras necessárias à contenção da erosão e assoreamento das praias afetadas pelo Porto do Malhado.

Manifestação no prédio da Justiça Federal em Ilhéus. Imagem cedida ao Blog do Gusmão.

Manifestação no prédio da Justiça Federal em Ilhéus. Imagem cedida ao Blog do Gusmão.

União, município e CODEBA são réus no processo, mas, os custos dos estudos cabem ao Governo Federal.

Além disso, o magistrado obrigou a União a “apresentar plano de recuperação das áreas degradadas – PRAD”.

Na decisão, Wilton Sobrinho afirma que a CODEBA, responsável pela gestão do Porto do Malhado, não pode se isentar alegando “ilegitimidade”. O mesmo vale para o município de Ilhéus, que construiu os espigões na praia do norte, “o que pode ter contribuído para o agravamento dos problemas ambientais e socioeconômicos advindos da erosão e do assoreamento”.

O juiz também determinou que a UESC seja oficiada “com urgência” para que o Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas indique especialistas em oceanografia aptos a realizar os estudos previstos na decisão. A colaboração será remunerada.

Os espigões do norte

O advogado Helson Silva preside a comissão que representa as associações dos cabaneiros, dos pescadores, das marisqueiras e dos bairros São Miguel, São Domingos e adjacências. Ele conversou há duas semanas sobre o processo com o Blog do Gusmão.

Segundo o advogado, o projeto inicial previa que os espigões teriam duzentos metros de comprimento, mas eles foram construídos com apenas 50 metros. A obra também não seguiu a forma idealizada, pois nenhum espigão tem a estrutura horizontal “fechando o formato de um T”.

As comunidades, afirma o presidente da comissão, querem saber “quem mandou a verba, qual foi o valor e qual foi a responsabilidade de cada ente” na construção dos espigões.

Clique aqui para acessar a decisão.

PORTO DE ILHÉUS REGISTRA QUEDA DE EXPORTAÇÕES

Imagem: Secom-GOVBA.

Imagem: Secom-GOVBA.

Nesse final de semana a equipe da diretoria comercial e de desenvolvimento de negócios da Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba) vai realizar visita técnica ao Porto de Ilhéus.

Segundo o diretor responsável, Élio Regis, a proposta é conhecer com detalhes a estrutura do porto e enumerar as necessidades para melhorar seu desempenho. “A expectativa é contribuir para o aumento das operações portuárias e, consequentemente, atrair novas cargas”. Os técnicos também vão visitar a unidade ilheense do Serviço Social da Indústria (SESI).

Segundo a companhia, seus três portos (em Salvador, Aratu e Ilhéus) movimentaram 5,4 milhões de toneladas de carga no primeiro semestre desse ano, volume superior em 400 mil comparado ao mesmo período 2015.

Apesar do resultado positivo dos três portos juntos, a visita a Ilhéus também é uma resposta à queda na atividade do terminal portuário do Malhado. Comparando o primeiro semestre de 2016 com o mesmo período do ano passado, o porto ilheense registrou recuo de 6,2% no volume de exportações.

PORTO DE ILHÉUS VAI EXPORTAR CEM MIL SACAS DE CACAU

Há mais de 25 anos Porto de Ilhéus não realizava uma remessa de desse porte.

Porto de Ilhéus não realizava uma remessa desse porte há mais de 25 anos.

O Porto do Malhado vai exportar uma carga de seis mil toneladas de cacau. Duas fontes deste blog confirmaram a boa nova.

A Cargil iniciará o transporte das cem mil sacas no próximo dia 21. A operação vai durar dez dias e envolverá diretamente quinhentos trabalhadores com o carregamento e o armazenamento do produto. Cada um deles receberá oitenta reais por jornada diária de seis horas.

A remessa vai movimentar aproximadamente R$ 1,2 milhão no mercado local. Além da mão de obra, a conta incluiu serviços auxiliares e impostos.

Já se vão mais de vinte e cinco anos desde as últimas remessas desse porte, na década de 1980. Não há outras agendadas, mas, a contração da demanda interna favorece o cenário para a  exportação, assim como a queda do valor do real em relação a outras moedas.

Além disso, essa venda pode chamar de volta a atenção de grandes importadores para o cacau produzido na Bahia. 

MARINHA ABRE NAVIOS PARA VISITANTES EM ILHÉUS

Navios poderão ser visitados no domingo, 18.

Navios poderão ser visitados no domingo, 18.

Nesse domingo, 18, a Marinha do Brasil receberá visitantes em navios atracados no Porto do Malhado, em Ilhéus.

Os navios “Caboclo”, “Guaratuba”, “Gravataí”, “Anhatomirim” e “Araçatuba” poderão ser visitados entre as 14 e 17 horas. Todos são sediados em Salvador, subordinados ao Comando do 2º Distrito Naval.

ILHÉUS VAI RECEBER SEIS TRANSATLÂNTICOS EM JANEIRO

Transatlântico atracado no Porto do Malhado. Imagem: Roberto Santos/Secom.

Transatlântico atracado no Porto do Malhado. Imagem: Roberto Santos/Secom.

Ilhéus retomará sua temporada de cruzeiros a partir do dia 14 de janeiro, com a chegada do transatlântico MSC Lirica. Os dias 15, 21, 22, 28 e 29 completarão a agenda movimentada do Porto do Malhado nesse mês.

A temporada continuará em fevereiro. Navios repletos de turistas atracarão em Ilhéus nos dias 18, 24 e 28 do próximo mês. O Porto do Malhado também será movimentado nos dias 10 e 16 de março.

Segundo estimativas da Secretaria Municipal de Turismo, cerca de 80 mil turistas terão desembarcado em Ilhéus ao final da temporada de cruzeiros. Em média, cada visitante injeta 75 dólares na economia local.

EBOLA: PORTO DE ILHÉUS NÃO DEFINIU PLANO DE EMERGÊNCIA

Epidemia gerou estado internacional de emergência sanitária.

Epidemia gerou estado internacional de emergência sanitária.

A Organização Mundial da Saúde classificou a epidemia de ebola no oeste africano como emergência sanitária internacional. Até essa sexta-feira, 8, 961 pessoas já morreram contaminadas. Guiné, Serra Leoa, Libéria e Nigéria estão em alerta. A OMS não decretou estado de quarentena para não agravar os problemas socioeconômicos desses países, mas, determinou o controle rigoroso de seus aeroportos e portos, com o objetivo de evitar que o vírus chegue a outros continentes.

Conversamos hoje por telefone com Renilton Rehem, coordenador de gestão portuária do Porto do Malhado. O porto ilheense não tem operação montada para impedir a entrada de pessoas contaminadas. O próximo navio vindo da África só aportará na cidade em outubro.

Rehem não quis aprofundar o assunto, porque não é responsável pela área de saúde. Ele nos passou os números do assessor de imprensa e de uma profissional da equipe de vigilância sanitária da Companhia das Docas do Estado da Bahia. Não conseguimos contato. De todo modo, não sabemos até que ponto agentes da companhia alocados em Salvador poderiam esclarecer a situação do Porto de Ilhéus.

Também ouvimos o médico Marzio Azarro D Lippi, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Ele esclareceu que a agência segue as diretrizes da OMS e adota protocolo internacional para a identificação e isolamento de casos suspeitos. Conforme Marzio, a cúpula gestora da Anvisa está reunida em Brasília para avaliar as informações da Organização Mundial da Saúde sobre a epidemia.

Comentário do Blog.

Este blog não compactua com nenhum tipo de preconceito contra o povo africano e se sensibiliza com a situação dos países afetados. O receio manifestado por esta publicação está relacionado ao fato de Ilhéus já ter recebido imigrantes clandestinos em seu porto. Alguns vieram da África, nos navios carregados com amêndoas de cacau. Como a OMS não descarta a possibilidade da epidemia se espalhar para outros continentes, os terminais portuários devem ser preparados para avaliar embarcações vindas de qualquer lugar. 

PRIMEIROS TRILHOS DA FIOL CHEGAM A ILHÉUS

Primeiro lote dos trilhos foi desembarcado nesse domingo, 3.

Primeiro lote dos trilhos foi desembarcado nesse domingo, 3.

O candidato a governador da Bahia pela Coligação Pra Bahia Mudar Mais, Rui Costa (PT), comemorou a chegada do primeiro lote dos trilhos da Ferrovia Oeste-Leste. O material foi desembarcado no Porto do Malhado nesse domingo, 3. “É o primeiro navio, de outros doze que atracarão em Ilhéus, trazendo os trilhos para os 1.100 quilômetros da ferrovia, que ligará a Região Sul ao Extremo Oeste, formando um corredor logístico que vai melhorar  o transporte da produção de minérios e grãos da Bahia”, explicou.

Para o candidato do PT, a ferrovia benecificiará todo o estado. “A Fiol é um beneficio para toda a Bahia, não só para as cidades por onde os trilhos passarão.  A estrutura certamente vai alterar o padrão de transporte de cargas por essa região produtora”, afirmou Rui Costa. 

JABES COLOCOU O TURISMO EM ÚLTIMO PLANO

Jabes não acredita no turismo e Alcides não sabe o que é planejamento.

Jabes não acredita no turismo e Alcides não sabe o que é planejamento.

Por Emílio Gusmão

O prefeito de Ilhéus, Jabes Ribeiro, acredita em modelos de crescimento econômico exógenos.

Isso acontece quando uma pequena cidade do interior atrai, por meio de incentivos fiscais, fábricas desconectadas das atividades econômicas típicas da região.

Seria um bom exemplo, se de repente, Ilhéus atraísse fábricas de calçados e siderúrgicas. Foi assim quando o ex-governador Paulo Souto (DEM) atraiu dezenas de montadoras de equipamentos de informática para a cidade do cacau. Hoje, o polo de informática é um centro de falências, já que os incentivos foram embora.

Jabes acredita nisso. Em seus discursos fundamentados em conceitos antigos, percebe-se que ele gostaria de tornar Ilhéus um polo siderúrgico, fomentado pelo Porto Sul.

Enquanto isso, sua quarta gestão despreza o que temos de melhor e mais original: nossas belezas naturais e nosso legado cultural.

O prefeito não acredita no turismo. Prova disso foi a nomeação de Alcides Kruschewsky para comandar a secretaria.

Kruschewsky é um ilustre ignorante na área. Quando se expressa sobre o tema, fala bonito e nada diz.

Passados 10 meses, a secretaria de turismo sequer desenvolveu um planejamento para o setor.

No livro Planejamento Econômico do Turismo, Venancio Bote Gomez afirma que “o planejamento como previsão ou antecipação do que vai acontecer, consiste em um amplo estudo do mercado sobre todos os aspectos da atividade turística e suas relações com o resto da economia mundial. Por este caráter de previsão, o plano foi definido como um antiazar”.

Amigo visitante, guarde o termo “antiazar”.

Recentemente, foi divulgada a notícia de que alguns transatlânticos não poderão atracar no Porto do Malhado devido à altura insuficiente do calado. Uma dragagem que resolveria o problema foi paralisada pelo Ibama.

No rádio, durante entrevistas, o secretário de turismo Alcides Kruschewsky demonstrou ter sido pego de surpresa.

Tornou evidente a ausência de planejamento, de estudos que propiciassem medidas “antiazar”.

Afilhado político do secretário estadual de turismo, Domingos Leonelli, Alcides transformou a secretaria em um núcleo de produção de eventos “duvidosos”.

Provisoriamente instalado no prédio da secretaria de cultura, o responsável pelo “não-planejamento” do turismo permanece distante, a centenas de léguas da cultura local. O mirante de Olivença, local privilegiado e de sua rotina, lhe enche os olhos, mas, não lhe dá inspiração.

Este é o resultado de mais uma nomeação política feita por Jabes Ribeiro.

PERIGO NO AEROPORTO DE ILHÉUS

Impacto de uma ave com um avião gera danos e pode derrubá-lo. (Imagem ilustrativa\Internet)

De janeiro a abril deste ano, seis aves se chocaram com aviões na pista do Aeroporto Jorge Amado, em  Ilhéus.  O número é 200% maior do que em 2012, quando foram registradas duas colisões.

A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) também está em alerta com o alto número de avistamentos de aves no local de pouso e decolagem: 44 somente nos quatro primeiros meses do ano.

Dos seis casos, uma das aeronaves precisou interromper o voo para manutenção, o que até agora é considerado o impacto mais representativo. A colisão de uma ave com um avião pode derrubá-lo.

Um levantamento preliminar da Infraero aponta como focos de aves (principalmente urubus) áreas no Nelson Costa e um córrego próximo ao aeroporto, onde as pessoas jogam lixo. Outras duas áreas são um frigorífico no Teotônio Vilela e uma peixaria próximo ao Porto do Malhado.

Um relatório produzido por técnicos Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e da Infraero apresentou a situação à prefeitura de Ilhéus. Com informações do Bahia Notícias e Pimenta.

NESTLÉ EMITE NOTA SOBRE IMPORTAÇÃO DE CACAU

Uma carga vinda de Gana (África), com 3 mil toneladas de amêndoas de cacau, chegou ao Porto do Malhado, em Ilhéus, na última sexta-feira (12). A carga foi liberada e encaminhada para a processadora da Nestlé, em Itabuna.

Em nota ao Mercado do Cacau, a empresa afirmou que utiliza 70% de amêndoas originárias do Brasil, o que, segundo ela, contribui para o desenvolvimento local e da economia do país.

Veja a nota na íntegra:

“A Nestlé informa que, atualmente, 70% das amêndoas de cacau utilizadas em seu processo produtivo são adquiridas de produtores nacionais, incentivando, assim, a agricultura local e contribuindo com a economia do país na geração de empregos e renda desses produtores. Somente uma parte desta commoditie deriva de importação e é utilizada como matéria-prima fundamental para a composição do blend, responsável por manter as características essenciais nos produtos comercializados pela companhia e já aprovados pelos consumidores locais. Esta proporção tem sido constante nos últimos cinco anos.”

MINÉRIO DE FERRO NO PORTO DO MALHADO: MAIS UM DEVANEIO

Minério de ferro bate na porta da Avenida Soares Lopes.

O minério de ferro bate na porta da Avenida Soares Lopes.

Por Emílio Gusmão

A Bamin pretende utilizar o Porto do Malhado para escoar seu minério de ferro extraído em Caetité.

A informação divulgada pelos deputados estaduais que integram a Comissão do Porto Sul parece muito simples.

A empresa optou por outra via, até que o seu terminal privado fique pronto.

Infelizmente ou felizmente, a mudança não será tão fácil.

Para escoar minério pelo Malhado, será necessário outro licenciamento, com ampla discussão e mais estudos técnicos sobre possíveis impactos. Governo do estado e Bamin deverão promover novas audiências públicas. O processo será reiniciado do zero.

Muitos questionamentos sobre essa nova alternativa locacional (mesmo provisória) carecem de respostas.

Essa carga necessita de imensa área de estocagem. A área do Porto do Malhado (e da Avenida Soares Lopes) tem espaço suficiente?

A Ferrovia Oeste Leste vai entrar na zona urbana de Ilhéus até o Porto ou a Bamin pretende transportar minério por meio de carretas de Aritaguá até o Malhado?

A utilização de carretas é indicada nesse caso?

O certo é que o Governo do Estado e a Bamin estão envolvidos num gargalo jurídico.

A licença prévia do Porto Sul foi concedida ao Derba. Para que o Ibama libere a licença de instalação, os empreendedores devem cumprir as trinta e nove condicionantes.

O governo do estado (de orçamento apertado) possui baixa capacidade de investimento. Com o porto público assumiu responsabilidades com as mitigações. O não cumprimento também atrasa o terminal privado.

Para driblar a legislação, o governo do estado firmou nova parceria com a Bamin, por meio de uma sociedade de propósito específico. Agora, governo e mineradora são sócios.

Enquanto isso, a Bamin escoa pequenas quantidades de minério de ferro por Tubarão (ES). A empresa já utiliza a ferrovia Centro-Atlântica.

Encontramos num site especializado artigo recente sobre a ENRC (empresa que controla a Bamin). Perspectivas sobre mudanças de rumo nos próximos três anos, em relação ao Brasil, despertaram a nossa atenção. A ENRC já admite fazer uso das malhas ferroviária e portuária existentes no país.

A ferrovia Oeste-Leste ainda não existe e não tem data para ficar pronta. Considerando essa realidade, a utilização do Porto do Malhado pode ser um devaneio para confundir a opinião pública.

:: LEIA MAIS »

INTEGRAÇÃO DO PORTO SUL COM O PORTO DO MALHADO

Pedro Tavares.

Pedro Tavares.

Durante a audiência da Comissão Especial do Porto Sul da Assembleia Legislativa, quarta-feira (03), o deputado estadual Pedro Tavares (PMDB) cobrou celeridade ao Governo do Estado para a concretização do empreendimento.

Além de destacar a importância da implantação do projeto, o parlamentar sugeriu ainda a integração do Porto Sul com o Porto do Malhado. “A criação de um complexo portuário integrado nessa região é imprescindível para seu desenvolvimento”, completou o parlamentar peemedebista.

CONTRATO DA TRANSPETRO COM O PORTO DO MALHADO PULA DE 8 MIL PARA 500 MIL REAIS

Em primeira mão.

Excelente notícia para Ilhéus!

A Petrobras Transporte S.A (Transpetro) até novembro de 2011 mantinha um contrato de 8 mil reais, mensais, com o Porto do Malhado. A unidade portuária lhe serve de base e ponto de apoio para as atividades de pesquisa e prospecção em busca de petróleo e gás natural.

A partir de dezembro, o contrato foi ampliado para 500 mil reais, ou seja, as atividades da empresa, em Ilhéus, aumentaram consideravelmente.

Em pleno verão, época de muitos visitantes, diretores da Transpetro têm reclamado da escassez de leitos nos hotéis e pousadas. A infra-estrutura disponível não tem sido suficiente.

A Petrobrás, gigante do petróleo que comanda a Transpetro, evita fazer estardalhaço quando o assunto é a possível descoberta de novas fontes de combustíveis fósseis. A precaução leva em conta a sensibilidade da bolsa de valores.

As informações passadas a este blog são do deputado federal Josias Gomes (PT). Segundo o parlamentar, Ilhéus pode se transformar numa Macaé (RJ), cidade fluminense rica devido aos recursos do petróleo.

TURISTA SEM GRANA E EMPRESÁRIOS A VER NAVIOS

Os turistas estrangeiros que chegaram a Ilhéus ontem (domingo, 04), no terceiro navio que atracou no porto do Malhado, ficaram impedidos de fazer compras na cidade.

O motivo é simples, a única casa de câmbio do centro estava fechada, para indignação de empresários e frustração dos visitantes.



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia