WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

reserva sapetinga massi hospital sao jose


impacto cred

transporte ilegal
abril 2017
D S T Q Q S S
« mar    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

:: ‘Rede Sustentabilidade’

LÍDER TUPINAMBÁ LUTA POR DEMARCAÇÃO E RESGATE DAS ORIGENS EM ILHÉUS

Cacique Ramon Tupinambá.

Cacique Ramon Tupinambá.

Da Rede Sustentabilidade

Garantir a demarcação do Território Ancestral Indígena Tupinambá de Olivença tem sido uma das principais lutas de Ramon Souza Santos, 32 anos, também conhecido como cacique Ytajibá. Uma das principais lideranças da região, localizada em Ilhéus, no sul da Bahia, ele busca uma homologação que, caso seja viabilizada pelo governo federal, vai beneficiar mais de 8 mil índios, divididos em 22 comunidades.

Filiado à Rede Sustentabilidade, Ytajibá é cacique de sua comunidade há 11 anos. Ele explica que o território já foi delimitado em abril de 2009 e conta com 47.360 hectares. No entanto, ainda falta a demarcação definitiva. Apesar da luta, considera que a homologação está cada vez mais difícil de acontecer, ainda mais com a sinalização do atual governo. Ele aponta a escolha de Osmar Serraglio para o Ministério da Justiça e as mudanças no sistema de demarcação adotadas pelo antecessor na pasta, Alexandre de Moraes, como os principais sinais de retrocesso nas questões indígenas do país. “Como esperar avanços se o presidente chama o relator da PEC 215 para comandar o ministério responsável por demarcar territórios indígenas?”, questionou.

Em entrevista à REDE, o cacique conta sobre essa batalha pela demarcação e por que decidiu se filiar ao partido. Ele também fala sobre o importante trabalho de resgatar o idioma nativo junto ao povo Tupinambá de Olivença:

Como tem sido a sua luta como uma das principais lideranças indígenas da sua região?

Ramon Souza Santos, o cacique Ytajibá – A batalha por aqui está bastante árdua. A nossa principal luta aqui na região é pela demarcação definitiva do Território Ancestral Indígena Tupinambá de Olivença. Essa área já está delimitada desde 20 de abril de 2009 pelo governo, mas falta a assinatura definitiva para que seja demarcada e passe definitivamente para os índios. É uma região importante e essa luta vai muito mais além, pois já há uma tentativa de transferir essas terras aos indígenas desde 1926, quando o então governador da Bahia mandou marcar uma área com 50 léguas de cada lado em formato quadrado (ou 58.274 quilômetros quadrados). Isso mostra que é uma briga bastante antiga e vai garantir um território para o povo Tupinambá de Olivença, que foi o primeiro a ter o contato com os colonizadores portugueses ainda nos tempos de Descobrimento do Brasil.

E qual foi o tamanho da área delimitada pelo governo federal em 2009?

Cacique Ytajibá – O território delimitado pelo governo naquela ocasião foi de 47.360 alqueires (473,6 quilômetros quadrados). Ou seja, isso mostra que a comunidade indígena tem perdido muito espaço em uma área que é de direito dos índios Tupinambá. Apesar do tamanho ser muito inferior, a demarcação do território é essencial para a sobrevivência dos indígenas aqui da região. Por esse motivo, travamos essa batalha, porque quando isso for oficializado, esse território indígena vai abranger três municípios: Ilhéus, Una e Buerarema. E também mais de 8 mil índios divididos em 22 diferentes comunidades indígenas. E essa demarcação também apresenta uma importância fundamental, pois irá contribuir na preservação de uma área localizada na Mata Atlântica e que também conta com uma estância hidromineral. É uma maneira de garantir a nossa permanência nesse território, pois sempre estivemos aqui. Mas infelizmente a conjuntura atual nos ameaça cada vez mais, com os indícios de retrocesso nas questões indígenas.

Como você avalia a forma que o governo lida com as questões indígenas hoje e, inclusive, esse novo formato de demarcação?

:: LEIA MAIS »

HELOÍSA HELENA PARTICIPA DE ENCONTRO DA REDE EM ILHÉUS

Heloísa Helena e José Nazal.

Heloísa Helena e José Nazal.

A ex-senadora Heloísa Helena vai participar do próximo encontro do Elo Estadual da Rede Sustentabilidade-Bahia. O evento será nesse sábado (25), a partir das 8 horas, no Hotel Barravento, em Ilhéus.

Na oportunidade, Heloísa Helena palestrará no curso de formação direcionado aos membros da Rede e aos possíveis filiados do partido.

O encontro terá a presença de todos os membros do Elo Estadual, aproximadamente quarenta pessoas, e de todos os integrantes da comissão provisória da Rede em Ilhéus.

O vice-prefeito José Nazal, maior liderança da Rede em Ilhéus, também vai comparecer.

REDE RESPONDE MATÉRIA SOBRE PRECONCEITO DE GURITA

logo-redeNa última sexta-feira (24) publicamos a matéria Preconceito de Gurita contra gays impediu filiação na Rede. Hoje, a Executiva Estadual da Rede Sustentabilidade nos enviou nota de esclarecimento sobre a publicação. Leia a íntegra.

“Nota de Esclarecimento

A Executiva Estadual da Rede Sustentabilidade na Bahia vem esclarecer publicamente que não houve qualquer incidente envolvendo o ex-vereador Gurita, Alzimário Belmonte Vieira (Ilhéus, Bahia), em evento da rede no dia 26 de setembro do ano de 2015, conforme indicado em blog de Ilhéus. Outrossim, registra que dialogou com o político ilheense, mas este preferiu fazer filiação em outro partido tendo em vista seus legítimos projetos políticos. Por fim, a Rede Sustentabilidade afirma, conforme menciona seu Manifesto de fundação, irrestrito respeito aos direitos humanos, garantia de igualdade de gênero e repúdio a todas as formas de discriminação: étnica, racial, religiosa, sexual ou outras, garantindo a cada grupo espaço próprio de participação política e de respeito e atenção às suas demandas específicas.

Salvador, 27 de fevereiro de 2017

Executiva Estadual da Rede Sustentabilidade”

Comentário do Blog do Gusmão.

Erramos ao precisar a oportunidade em que Gurita manifestou repúdio contra o beijo gay. De fato, como esclarece a nota, o episódio não aconteceu naquele evento.

Gurita repudiou beijos entre casais homoafetivos numa conversa com doze membros da Rede. Sua manifestação deixou os interlocutores constrangidos.

Um membro da Executiva Estadual, que presenciou o repúdio manifestado por Gurita, relatou a cena ao blog.

Apenas hoje a fonte do blog disse que o gesto de intolerância de Gurita não foi determinante para a sua filiação ou não na Rede.

PRECONCEITO DE GURITA CONTRA GAYS IMPEDIU FILIAÇÃO NA REDE

Ex-vereador Alzimário Belmonte (Gurita).

Ex-vereador Alzimário Belmonte (Gurita).

No dia 26 de setembro de 2015, em Salvador, o elo estadual da Rede Sustentabilidade promoveu seminário sobre gestão municipal e práticas sustentáveis. A Escola de Administração da Universidade Federal da Bahia (UFBA) sediou a atividade. O blogueiro e cientista político Chico Andrade cobriu o evento.

Na época, o então vereador Alzimário Belmonte (Gurita) procurava uma nova legenda e foi ao seminário da Rede.  Estava prestes a sair do Partido Progressista, após romper com a maior liderança do PP em Ilhéus, o ex-prefeito Jabes Ribeiro.

Um casal homoafetivo também participava do seminário. Em determinado momento, os dois homens se beijaram. Gurita não gostou do que viu e manifestou o seu descontentamento aos dirigentes estaduais da Rede.

Ao revelar a própria intolerância, Gurita mal sabia que também fechava as portas da Rede para ele. O partido negou a sua filiação. A reclamação do vereador sobre o beijo foi determinante para a decisão.

Em fevereiro de 2016, Gurita se filiou ao Partido Social Cristão (PSC), o mesmo do deputado federal Jair Bolsonaro.

NAZAL E GUSMÃO NO ELO ESTADUAL DA REDE

Yaraci Dias (porta-voz estadual da Rede), Eugênio Badaró (membro da executiva estadual), Emílio Gusmão (um dos porta-vozes de Ilhéus), Julio Rocha (porta-voz estadual) e José Nazal (vice-prefeito eleito de Ilhéus).

Yaraci Dias (porta-voz estadual da Rede), Eugênio Badaró (membro da executiva estadual), Emílio Gusmão, Julio Rocha (porta-voz estadual) e José Nazal.

No último sábado (10), em Salvador, a Rede Sustentabilidade realizou a sua segunda convenção na Bahia. Na ocasião, o vice-prefeito eleito de Ilhéus, José Nazal, e um dos porta-vozes da Rede na cidade, Emílio Gusmão, passaram a fazer parte do elo estadual do partido. A instância partidária, que corresponde ao diretório, terá 39 membros de diversos municípios baianos.

Nazal vai integrar a comissão de ética. A decisão considerou o seu passado, com décadas de serviços prestados ao setor público. O vice-prefeito eleito tem muita credibilidade por sua trajetória ilibada.

A executiva estadual também avaliou que o resultado das eleições ilheenses foi muito positivo para a Rede. Eleger o vice-prefeito de uma cidade importante como Ilhéus fortaleceu o partido na Bahia.

Mesmo com o elo municipal ainda em formação, a sigla conquistou excelente posição política para se consolidar no município. Isso favoreceu a indicação de dois representantes de Ilhéus para o elo estadual.

A Rede reúne forças para vencer seus próximos desafios, como a cláusula de barreira que restringe o acesso aos recursos do fundo partidário e ao tempo de propaganda no rádio e na TV. Para garantir esses direitos, conforme a proposta que tramita no Senado, os partidos terão que atingir 2% dos votos válidos em todo o território nacional, além de obter 2% dos votos válidos em, pelo menos, 14 unidades da Federação.

Em relação a Ilhéus, segundo Emílio Gusmão, é necessário fortalecer o partido na cidade, pois a Rede não é uma sigla qualquer. Possui identidade e programa político muito concreto.

Ainda conforme Emílio, esse fortalecimento passa pelo êxito do governo Marão e Nazal. “Destacamos sempre que a aliança com o PSD em Ilhéus é programática, baseada em princípios e numa visão de cidade sustentável, com o desenvolvimento a partir das matrizes econômicas locais, o respeito ao meio ambiente, gestão inovadora e a defesa da diversidade étnica, comunidades tradicionais e povos originários, a exemplo do povo Tupinambá do Sul da Bahia”, explicou Gusmão.

Na convenção, a Rede definiu que terá candidatos a deputado estadual e federal nas eleições de 2018. Também estuda a possibilidade de lançar candidatura própria para o governo da Bahia. Além disso, vai ampliar as discussões sobre a próxima disputa da Presidência da República, para a qual a ex-senadora Marina Silva aparece bem posicionada em pesquisas de opinião.

MARINA SILVA DECLARA APOIO A MARÃO E NAZAL

Marina Silva e Nazal. Imagem: Clodoaldo Ribeiro.

Marina Silva e Nazal. Imagem: Clodoaldo Ribeiro.

Da assessoria do PSD

A ex-senadora Marina Silva, porta-voz nacional da Rede Sustentabilidade, fez questão de registrar depoimento em apoio às candidaturas de Marão (prefeito) e Nazal (vice-prefeito).

Nazal é correligionário de Marina. Ao lado do próximo vice-prefeito de Ilhéus, a ex-senadora explicou que a aliança com o PSD é programática. “As nossas alianças são sempre programáticas, porque o programa é o contrato de trabalho do prefeito e do vice com a população”.

Segundo Marina Silva, o compromisso da Rede “é com saúde de qualidade, educação de qualidade, moradia digna, oportunidades de emprego para os nossos jovens e transparência no uso dos recursos públicos. Essa é a mensagem que nós levamos nesse debate, nesse momento de profunda crise política. E é por isso que fizemos essa aliança, para que a gente também possa mudar a vida da população de Ilhéus”.

Marão agradeceu o apoio da ex-senadora. Conforme o candidato a prefeito de Ilhéus, “Marina Silva é uma das pessoas mais respeitadas do mundo, por sua trajetória de luta em defesa do desenvolvimento sustentável e da justiça social”.

Nazal destacou que “a manifestação de confiança de Marina aumentou ainda mais a responsabilidade da coligação Juntos pra cuidar de Ilhéus”.

Clique aqui para assistir o depoimento de Marina Silva, gravado no dia 6 de setembro, durante visita da ex-senadora a Itapetinga

REDE REAFIRMA SUA POSIÇÃO FAVORÁVEL AO IMPEACHMENT

rede destDa Rede Sustentabilidade

O Senado iniciou ontem a Sessão de julgamento da presidente Dilma, acusada de ter cometido crime de responsabilidade. Desde o dia 01 de dezembro, quando foi aceito o pedido de tramitação do processo de impeachment no Congresso, foram apresentados documentos de acusação e de defesa, testemunhas foram ouvidas e perícias realizadas, com acompanhamento estreito do Supremo Tribunal Federal.

Os elementos que levaram a REDE a se posicionar a favor da admissibilidade do processo do impeachment se confirmaram nessa etapa de debates no Senado. Reiteramos nosso posicionamento favorável ao afastamento definitivo da presidente Dilma, lembrando que a REDE respeita a pluralidade das posições e opiniões sobre essa questão e decidiu liberar as bancadas na Câmara e no Senado para votarem de acordo com suas consciências.

Também reafirmamos nosso entendimento de que o impeachment, por si só, não resolverá a crise política, social, econômica e moral. É preciso que as investigações da Lava-Jato continuem, que todos os culpados sejam punidos. Insistimos que a melhor saída para a crise é a convocação de uma nova eleição a partir da cassação da chapa Dilma-Temer. A Lava Jato tem apontado que há indícios de que dinheiro público desviado da Petrobrás tenha sido usado para financiar a campanha dessa chapa e que várias lideranças do PMDB podem ter sido beneficiadas com recursos ilícitos.

Por fim, entendemos que os fiadores da Operação Lava-Jato somos nós, cidadãos e cidadãs, os únicos capazes de escolher um governo com credibilidade para tirar o país da crise.

Comissão Executiva Nacional
Rede Sustentabilidade

ENTUSIASMO MARCA CAMINHADA DE MARÃO E NAZAL NO MALHADO

Nazal e Marão encerram ato em meio à animação da militância. Imagem: Clodoaldo Ribeiro.

Nazal e Marão encerram ato em meio à animação da militância. Imagem: Clodoaldo Ribeiro.

Da assessoria do PSD

Não se trata de um lugar-comum da campanha eleitoral. Basta acompanhar Marão e Nazal para conferir. Apesar do descrédito que afeta a classe política, os candidatos a prefeito e a vice-prefeito da coligação “Juntos pra cuidar de Ilhéus” rompem facilmente essa desconfiança.

Na tarde dessa quinta-feira, 25, vários moradores do Malhado saíram de suas casas para abraçar Marão e Nazal. Acompanhados de candidatos a vereador e líderes comunitários, os prefeituráveis andaram pelas ruas Uruguaiana e Visconde de Pedra Branca. As manifestações de carinho e confiança empolgaram toda a militância presente.

Durante o percurso, moradores disseram a Marão que encostas do Alto do Coqueiro sempre desmoronam no fundo de residências das ruas Uruguaiana e Visconde de Pedra Branca. O problema é antigo e a prefeitura nunca resolveu.

O candidato ouviu queixas sobre a iluminação pública precária. Muitas pessoas disseram que as ruas são varridas de vez em quando e também pediram a construção de um posto de saúde nas imediações da Central de Abastecimento.

À medida que Marão passava pelas ruas, mais pessoas acompanhavam o corpo a corpo. O trajeto foi encerrado na Praça do Tamarineiro.

Na tarde dessa sexta-feira, 26, o corpo a corpo será no Iguape a partir das 16 horas.

REDE APOIA CANDIDATURA DE AUGUSTO CASTRO

Augusto Castro e membros da Rede de Itabuna.

Augusto Castro e membros da Rede de Itabuna.

Nesse domingo (07) o elo municipal da Rede Sustentabilidade declarou apoio à candidatura de Augusto Castro (PSDB) a prefeito de Itabuna. A informação é da assessoria do candidato.

Segundo a assessoria, o porta-voz da Rede de Itabuna, Irland Santana, destacou a identidade entre o partido e as propostas de Augusto Castro, “com destaque para a humanização da cidade e a ampliação do saneamento”.

Augusto afirmou que recebeu com alegria a chegada de um novo partido na coligação. “Nosso propósito é cuidar de Itabuna, como bem expressa o nome de nossa coligação, e a Rede sem dúvida tem muito a somar nesse projeto”, disse o candidato.

Além da Rede, PSC, PHS e PMB apoiam o candidato do PSDB.

NOTA DE ESCLARECIMENTO DA REDE SUSTENTABILIDADE – ILHÉUS

logo-redeEm artigo publicado ontem (4) neste blog, o professor e advogado Carlos Pereira Neto afirmou que a Rede Sustentabilidade de Ilhéus fez uma aliança fisiológica com o PSD de Marão. Na perspectiva do articulista, o partido abriu mão do bem comum em nome de interesses particulares.

Segundo a Comissão Provisória da Rede Sustentabilidade de Ilhéus, a afirmação do professor, que também enquadra outros partidos, é leviana. Na tarde do último domingo (31), quando a Rede firmou sua aliança com o PSD no Restaurante Gabriela, o partido não discutiu fatiamento de governo nem ocupação de cargos ou secretarias.

De acordo com a comissão, a Rede encaminhou uma visão de cidade baseada na sustentabilidade. Caso Marão seja eleito, o partido pretende inspirar o governo a promover a recuperação da Bacia Hidrográfica do Rio Iguape. A coligação também considerou o propósito de transformar o Parque Municipal da Boa Esperança numa unidade de conservação capaz de receber visitantes para impulsionar o turismo ecológico em Ilhéus.

Ainda conforme a comissão, a rede pretende influenciar o eventual governo a implementar um plano de mobilidade urbana, apontando alternativas como a construção de ciclovias e a regulamentação de outras formas de transporte coletivo.

O compromisso entre a Rede e o PSD, afirma a comissão, também considerou a busca da equidade social, principalmente com a melhoria acentuada dos sistemas públicos de educação e saúde. Tudo isso foi discutido, e o debate será mais amplo durante a formulação do plano de governo.

A Rede também destacou o objetivo de promover a eleição de um índio tupinambá para a Câmara de Vereadores de Ilhéus, o Cacique Ramon. Segundo a comissão, esse é um fato simbólico, pois vai possibilitar que um indígena marginalizado pela história ganhe visibilidade política para representar seu povo. 

Segundo a comissão, a Rede não define seu arco de alianças estimulada por ideologias que utilizam termos e gritos de guerra ultrapassados. Em Ilhéus, o partido discutiu sua coligação orientado por ideias e conceitos que consideram as peculiaridades do município, que pode se desenvolver de modo sustentável com a valorização das suas características culturais, ambientais e econômicas.

REDE REALIZA CONVENÇÃO ELEITORAL EM ILHÉUS

José Nazal. Imagem: O Tabuleiro.

José Nazal. Imagem: O Tabuleiro.

A convenção da célula ilheense da Rede Sustentabilidade está marcada para o dia 5 de agosto (sexta-feira). O local será divulgado posteriormente.

No encontro, os membros do partido vão deliberar sobre as coligações majoritária e proporcional para as próximas eleições municipais.

Entre as pré-candidaturas da Rede em Ilhéus estão a de José Nazal a prefeito e a do Cacique Ramon a vereador.

REDE SUSTENTABILIDADE INCORPORA NOVOS FILIADOS DE ILHÉUS

rede ios

José Nazal, Cacique Ramón e Emilio Gusmão estão na Rede.

Por meio de nota, os porta-vozes da Rede Sustentabilidade na Bahia informam que o partido busca se organizar em Ilhéus.

O escritor e fotógrafo José Nazal deixou o PTB e se filiou na Rede. Provavelmente, o partido terá candidato à prefeitura de Ilhéus.

Na cidade, a Rede segue uma tendência nacional da legenda e incorpora lideranças de comunidades tradicionais. O Cacique Ramón Tupinambá e outros índios também se filiaram. Leia o comunicado.

Nota do Elo Estadual da Rede

A Rede Sustentabilidade acompanha com entusiasmo sua organização no Sul da Bahia, especialmente o esforço coletivo de atuação em Ilhéus com incorporação de significativos segmentos interessados pela Nova Política. 

Ressalta que a filiação do Cacique Ramón Santos Tupinambá com lideranças indígenas, do jornalista Emílio Gusmão e do historiador José Nazal reforçam a esperança de uma nova perspectiva de atuação em defesa da democracia e construção da sustentabilidade na Região.

Julio Rocha e Iaraci Dias porta-vozes da Rede Sustentabilidade na Bahia.

REDE NEGA FILIAÇÃO A EX-DEPUTADO HOMOFÓBICO

Walter se notabilizou por lutar contra os direitos LGBT.

Walter se notabilizou por lutar contra direitos LGBT.

Do PBAgora

O ex-deputado Walter Brito Neto que tentou filiação a Rede Sustentabilidade, comandado pela ex-presidenciável Marina Silva, teve seu registro negado pela executiva do partido que alegou a defesa de Neto ao Estatuto da Família, que prevê a definição de família como sendo unicamente a união entre homem e mulher. Walter contava com o apoio de Marina para ser candidato a prefeito de Campina em 2016.

Outro fator que o comando da Rede alegou para negar filiação a Walter foi que quando estava no Congresso Nacional, apresentou um projeto de lei para impedir casais homossexuais que adotem crianças.

“Se a Rede divulgou uma nota contra o Estatuto da Família, como um filiado diz que fará campanha a favor do documento? Além disso, ele tem um histórico de infidelidade partidária, inclusive teve o mandato de deputado federal cassado, e só tem interesse de se filiar à Rede se for para ser candidato a prefeito de Campina Grande. Estas questões impossibilitam a sua filiação”, disse Fernando Júnior, coordenador de organização da Rede no Estado a mídia paraibana no dia de ontem.

O ex-deputado pretende recorrer à direção nacional do partido. “É lamentável que uma legenda, comandada por Marina Silva, uma mulher evangélica, não aceite quem defende o Estatuto da Família”, afirmou. Walter Brito foi o único deputado federal do Brasil e perder o mandato por infidelidade partidária. Na época, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), acatou ação do Democratas e tirou o mandato do parlamentar. Ele já foi filiado ao PRB-PB, Democratas, PMDB, e agora está prestes a entrar no PV.  

Comentário do blog.

O vereador Alzimário Belmonte (Gurita) está muito próximo do processo de consolidação da Rede em Ilhéus, mas, cabe lembrar que ele apoiou a retirada de expressões como igualdade de gênero do Plano Municipal de Educação.

A Rede, como defensora da renovação política, não pode reproduzir valores e atitudes da Idade Média. A homofobia está na origem de diversas formas de violência contra a população LGBT.

REDE NÃO DESCARTA VIVALDO MENDONÇA

Vivaldo.

Vivaldo.

Segundo o professor e blogueiro Chico Andrade, a Rede Sustentabilidade disse “não” a Vivaldo Mendonça, pois não aceita “filiações de políticos que visem apenas a garantia de uma legenda para oficializar uma candidatura”.

Vivaldo estaria disposto a se filiar à Rede depois de perder espaço no PSB. A executiva estadual vai decidir, de maneira horizontal, se ele vai entrar ou não no partido. O diretório já sabe que ele foi homem de confiança do ex-deputado Luiz Argôlo, preso na Operação Lava Jato. Não podemos afirmar se isso será um impeditivo ou não.

Em nota pública divulgada nessa segunda-feira (28), o partido manteve as portas abertas: “nenhuma das lideranças de Ilhéus que abriram essas negociações com a Rede Sustentabilidade foi descartada do nosso projeto político”. Leia a íntegra.

NOTA PÚBLICA

A Rede Sustentabilidade vem esclarecer que:

1. Considera Ilhéus um município importante na sua estratégia de construção de uma Nova Política para a Bahia, tanto pela sua posição estratégica, sua economia e sua cultura;

2. Diversas lideranças locais abriram conversações com a Executiva do Elo Bahia da Rede Sustentabilidade, no sentido de integrar nossas forças, para a construção da Nova Política, pautada em princípios e valores que procuram transformar Ilhéus em um município mais equilibrado e sustentável social e economicamente;

:: LEIA MAIS »

NECA SETUBAL: “SER HERDEIRA DO ITAÚ NÃO APAGA 30 ANOS DE TRABALHO NA EDUCAÇÃO”

A socióloga Neca Setubal, única mulher filha do banqueiro Olavo Setubal, morto em 2008 (Foto: Divulgação/PSB).

A socióloga Neca Setubal, única mulher filha do banqueiro Olavo Setubal, morto em 2008 (Foto: Divulgação/PSB).

Por Rodrigo Rodrigues para o Terra Magazine.

Filha do banqueiro Olavo Setubal, fundador do Banco Itaú, a socióloga Maria Alice Setubal, a Neca Setubal, virou, contra a própria vontade, a palmatória que sustenta as críticas que brotaram na internet contra a candidata Marina Silva (PSB). Isso desde que a mesma tornou-se candidata, substituindo o falecido Eduardo Campos na corrida eleitoral.

Conselheira e amiga pessoal da candidata acreana desde 2009, Neca Setubal coordena, ao lado do ex-deputado Maurício Rands, a elaboração do plano de governo de Marina Silva, desde quando Eduardo Campos ainda era o candidato.

Uma das principais articuladoras da fundação da Rede Sustentabilidade, Neca ganhou importância na campanha com a substituição de Campos por Marina. Virou vitrine exatamente por ser irmã de Roberto Setubal, atual presidente do Itaú Unibanco. E por ser dona de 3,5% das ações do banco.

As principais críticas dizem respeito à informação de que Marina Silva, se presidente, dará autonomia formal ao Banco Central, notícia que foi capa de jornais na semana passada, depois da proposta ser vocalizada pela própria Neca.

Por ter ligação com o Itaú, Neca foi acusada por comentaristas da esquerda e da direita de ser a articuladora da proposta, já que há tempos é do interesse do mercado financeiro que o Banco Central tenha essa autonomia formal.

Essa proposta foi assumida pelo Eduardo Campos lá atrás, quando a campanha começou. Não tem nenhuma relação comigo. A Marina que resolveu abraçar e manter tudo que já tinha sido discutido nas reuniões de elaboração de programa de governo, na época que o Eduardo ainda estava vivo”, lembra a socióloga.

Neca Setubal se diz um pouco incomodada com os ataques que recebeu após a ascensão de Marina nas pesquisas, mas afirma encarar de forma natural as críticas:

Ser herdeira do Itaú não apaga os trinta anos de trabalho que tenho na Educação. Tenho vários livros publicados sobre o assunto, ganhei vários prêmios pelo trabalho nessa área. Nunca fiz parte do conselho ou diretoria do banco, nem da Fundação [Itaú Social]. Me orgulho do trabalho do meu pai e do meu irmão, mas tomamos caminhos diferentes. As críticas são naturais, porque agora todos que estão perto da Marina viram alvo. Até os jornais descrevem todo mundo da campanha como ambientalista, economista, mas quando chega a hora de me descrever só usam o “herdeira do Itaú”. É uma opção editorial que não vale discutir, só lamentar o reducionismo”, argumenta Neca Setúbal.

:: LEIA MAIS »

MARINA SILVA E EDUARDO CAMPOS GERAM FATO NOVO

sergio abranchesPor Sergio Abranches

Surpresa, ousadia e movimentos que somam, em lugar de dividir, têm alto impacto na política. A maneira como Marina Silva respondeu à impugnação da Rede Sustentabilidade pelo TSE, e Eduardo Campos recebeu sua iniciativa, foi de alto impacto. Transformou-se imediatamente em um fato político com forte repercussão na mídia e na política.

Hoje os jornais estão cheios de reações e declarações de todas as lideranças relevantes, de todos os campos, de Lula e Dilma, de Aécio a Roberto Freire, só para mencionar as mais óbvias. Todos os analistas estão acompanhando com lupa os eventos e as reações, para tentar captar sinais que permitam antecipar os movimentos futuros com impacto político-eleitoral.

A decisão mexeu em todo o tabuleiro político-eleitoral, alterou os cálculos de todos os agentes e remexeu as expectativas em relação às possíveis chapas e coligações na disputa de 2014.

O tema da sustentabilidade entra na agenda eleitoral com esse movimento de Marina e Eduardo Campos, como desafio para eles mesmos e para os demais concorrentes na eleição. A maior novidade não é o gesto de Marina Silva, certamente singular na história política recente do país. A maior novidade é estar em negociação uma coligação programática, baseada em uma carta de princípios e na hospedagem amistosa de uma força política em um partido consolidado. Há precedentes históricos para esse tipo de recepção de uma força política autônoma por um partido político. A negociação programática de uma coligação eleitoral não tem precedentes.

Na segunda república, de 1945-1964, o PTB abrigou várias forças proscritas, sobretudo ligadas ao partido comunista, sem lhes cobrar adesão a seu programa. O MDB, durante a ditadura militar, de 1964 a 1984, abrigou várias forças políticas banidas que, depois da redemocratização, se constituiriam em partidos independentes.

:: LEIA MAIS »



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia