Número de mortos em Brumadinho chega a 58


305 pessoas estão desaparecidas e 192 foram resgatadas com vida.

O Corpo de Bombeiros informou na noite deste domingo (27) que 58 pessoas morreram na tragédia de Brumadinho (MG), onde uma barragem de rejeitos de mineração da empresa Vale se rompeu na tarde de sexta-feira (25). Até o momento, 305 pessoas estão desaparecidas e 192 foram resgatadas com vida. Um ônibus foi encontrado nesta noite com corpos. Não se sabe o número de corpos, por isso as equipes de resgate continuarão os trabalhos durante a noite.

O coordenador da Defesa Civil de Minas, tenente-coronel Flávio Godinho, explicou que o número de desaparecidos aumentou, pois mais nomes foram incluídos na lista em relação a que foi divulgada pela manhã.

De acordo com o tenente Pedro Aihara, porta-voz dos bombeiros, as equipes elencaram 14 áreas prioritárias de busca, entre elas locais onde estão soterrados uma locomotiva, uma pousada, ônibus e o refeitório da mineradora Vale, onde a maioria dos funcionários estava na hora do rompimento da barragem.

Os bombeiros trabalham com a possibilidade de encontrar sobreviventes. Mas o porta-voz admite que alguns corpos poderão não ser localizados.

As equipes interromperam as buscas durante o dia de hoje, após alerta de que uma segunda barragem, neste caso de água, corria risco de rompimento por causa do aumento do nível. As sirenes foram acionadas de madrugada pela Vale e moradores orientados a deixar suas casas. No meio da tarde, a Defesa Civil descartou o risco e os bombeiros retomaram as buscas.

Agência detectou problemas de infraestrutura em 54 barragens de água


Imagem Ilustrativa. Foto de Michael Melo/Metrópoles.

A Agência Nacional de Águas (ANA) detectou, nos últimos três anos, um total de 54 barragens de água do País com problemas na infraestrutura. Esse volume equivale a mais da metade do total das 104 barragens que a agência fiscaliza. A informação foi apurada pelo Estado em dezembro passado, em levantamento realizado com a agência por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI).

Hoje, segundo a ANA, há apenas seis funcionários do órgão em todo o país para executar esse trabalho de fiscalização. As barragens fiscalizadas pela ANA são classificadas como de “uso múltiplo”, ou seja, para geração de energia, consumo humano e navegação. São diferentes das barragens de rejeito de minério, que são de responsabilidade da Agência Nacional de Mineração. (mais…)

Tragédias com barragens em MG, acende a luz vermelha para Barragem de rejeitos no sul da Bahia


Barragem de contenção de rejeitos de minério de ferro da Mirabela Mineração, localizada no município de Itagibá. Foto montagem Blog Agravo.

Era 5 de novembro de 2015, 40 milhões de metros cúbicos de lama e rejeitos de minério de ferro soterraram o distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, na região central de Minas Gerais, e percorreram quilômetros até o mar. Três anos depois uma nova tragédia, o rompimento de uma barragem da mineradora Vale na Mina Feijão, em Brumadinho, cidade da região metropolitana de Belo Horizonte, causou uma avalanche de lama e rejeitos de mineração, que devastou parte da comunidade da Vila Ferteco, na sexta-feira, 25 de janeiro. O desastre já deixou ao menos 37 mortos e os bombeiros, que trabalham nas buscas e resgate de soterrados, estimam em 345 os desaparecidos.

Moradores do Sul da Bahia, em especial Itagibá, Ipiaú, Barra do Rocha e Ubatã, por meio de redes sociais, levantam a questão de segurança da barragem de contenção de rejeitos de minério de ferro da Mirabela Mineração, localizada no município de Itagibá. Um rompimento causaria uma tragédia, como também um impacto ambiental inimaginável, a exemplo de atingir o Rio de Contas, podendo chegar ao litoral da Costa do Cacau.

Neste sábado (26), a TV Bahia e o G1 trouxeram uma reportagem com as opiniões de um especialista e do gerente regional da ANM na Bahia, sobre as 14 barragens, sendo que quatro delas podem representar algum risco.

O especialista, professor e engenheiros de Minas, José Bastista de Oliveira Junior, explicou que existem dois tipos; barragens de rejeitos e barragem de contenção de rejeitos. Segundo o professor, as barragens de contenção de rejeitos são construídas em terra, e os rejeitos são depositados dentro delas. Já as barragens de rejeitos, são construídas com os próprios rejeitos, e alteadas com esses rejeitos, sendo essas típicas a de Brumadinho, e há apenas uma na Bahia, a de Jacobina. Clique aqui para ver a reportagem!

Conforme Cláudio da Cruz Lima, gerente regional da ANM na Bahia, o estado tem um número muito menor de barragens de rejeitos, em relação a Minas Gerais. No estado baiano são 14, sendo que quatro delas podem representar algum risco.

“Enquanto Minas tem mais de 400 barragens no Plano Nacional de Segurança de Barragens, a Bahia possui apenas 14. Isso nos permite monitorar as barragens, no mínimo, uma vez por ano. Algumas são monitoradas até duas vezes por ano”, disse Lima.

A Bahia não tem registro de acidentes com barragens de rejeitos. A intensificação do monitoramento das unidades é uma medida preventiva, afirmou o gerente da ANM no estado.

“As barragens que têm mais alto potencial de dano são as localizadas em Jacobina (2), Santa Luz (1) e Itagibá (1), mas elas estão sendo monitoradas, inclusive presencialmente, e as empresas estão cumprindo os condicionantes impostos pela ANM. Apesar disso, a gente vai intensificar o monitoramento das barragens, e, a partir da semana que vem, já vamos fazer uma reunião para retraçar os planos de monitoramento das barragens aqui na Bahia”, completou Lima.

Especialistas afirmam que a chance dos rejeitos de Brumadinho chegarem a rios ou praias da Bahia são remotas, por conta do volume, que não é tão grande quanto Mariana, tragédia ocorrida também em Minas Gerais, em 2015.

Brumadinho tem risco de novo rompimento de barragem


A barragem, que faz parte do complexo de Brumadinho, é um depósito de água, com volume de 1 milhão de m³, e fica ao lado da barragem 1, de rejeitos de minério, que rompeu na sexta-feira, 25.

Menos de 24 horas depois da tragédia na Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, nos arredores de Belo Horizonte (MG), a companhia Vale voltou a acionar as sirenes de alerta. Elas foram acionadas por volta das 5h30 da manhã de hoje (27). Os moradores que estavam na área foram retirados do local.

Em comunicado, a Vale informou que foi detectado aumento dos níveis da água na região.

“A Vale informa que, por volta das 5h30 deste domingo, acionou as sirenes de alerta na região da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), ao detectar aumento dos níveis de água nos instrumentos que monitoram a barragem VI.”

Diante do risco de rompimento de uma nova barragem, as autoridades deram início ao processo de retirada das pessoas de suas casas, alertando-as para que se deslocassem para áreas mais altas. A movimentação também foi feita na comunidade do Tejuco.

Segundo o tenente Pedro Aihara, porta-voz dos Bombeiros, a sirene foi acionada indicando “risco iminente do rompimento da barragem 6” e logo depois os bombeiros deram início à evacuação das comunidades que ficam à jusante da barragem. “O Corpo de Bombeiros permanece com todas as suas aeronaves em prontidão se for necessário deslocar equipes para algum local mais distante ou para realizar regaste e salvamento”, disse em áudio distribuído à imprensa.

O espaço aéreo na região de Brumadinho foi fechado a partir deste domingo. Apenas aeronaves de resgate irão poder sobrevoar o local do desastre. Enquanto houver o risco de novo rompimento, porém, as buscas por desaparecidos ficam temporariamente interrompidas.