Bahia registra 4.461 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas


Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 4.461 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +1,9%) e 3.024 curados (+1,4%), e 75 óbitos. Dos 234.204 casos confirmados desde o início da pandemia, 214.261 já são considerados curados e 15.111 encontram-se ativos. A base de dados completa dos casos suspeitos, descartados, confirmados e óbitos relacionados ao coronavírus está disponível em https://bi.saude.ba.gov.br/transparencia/.

Para fins estatísticos, a vigilância epidemiológica estadual considera um paciente recuperado após 14 dias do início dos sintomas da Covid-19. Já os casos ativos são resultado do seguinte cálculo: número de casos totais, menos os óbitos, menos os recuperados. Os cálculos são realizados de modo automático.

Os casos confirmados ocorreram em 413 municípios baianos, com maior proporção em Salvador (31,49%). Os municípios com os maiores coeficientes de incidência por 100.000 habitantes foram: Almadina (4.941,43), Dário Meira (4.547,15), Salinas da Margarida (4.257,36), Itapé (4.189,02) e Ibirataia (4.120,95).

O boletim epidemiológico contabiliza ainda 435.141 casos descartados e 86.637 em investigação. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Bahia (Cievs-BA), em conjunto com os Cievs municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até as 17 horas deste sábado (22).

Na Bahia, 18.809 profissionais da saúde foram confirmados para Covid-19. Para acessar o boletim completo, clique aqui ou acesse o Business Intelligence.

Caso de Cauan segue grave; após pai, mãe é internada com Covid


Cauan segue na UTI, e Shirlei está estável.

 

A mãe do cantor Cauan Máximo, Shirlei Máximo, foi internada no Hospital Anis Rassi, em Goiânia, mesmo local onde o cantor e o pai, João Luiz Máximo, estão na UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

Shirlei já tinha sido diagnosticada com covid-19 e, segundo boletim médico divulgado neste sábado (22), realizou exames de acompanhamento que mostraram 10% do pulmão comprometido pelo vírus. Além disso, ela teve uma complicação chamada TEP (Tromboembolismo Pulmonar).

“O sangue coagula no interior de alguns vasos sanguíneos e pode ser deslocar dentro dos mesmos”, explicou o boletim médico.

A mãe de Cauan está em um quarto hospitalar, sendo medicada e fazendo sessões de fisioterapia. Ela está estável e respirando sem necessidade de oxigênio.

Cauan e o pai continuam internados na UTI. Segundo boletim médico, o sertanejo apresentou “importante melhora clínica” e João Máximo “evoluiu bem”.

Ainda de acordo com a equipe médica, os dois estão com oxigenioterapia contínua, usando “máscara VNI para auxiliar na respiração”.

Leia o boletim médico na íntegra

– Cauan Máximo continua internado na UTI, em estado grave, estável hemodinamicamente, com importante melhora clínica e também dos exames de sangue.
Mantém-se em oxigenioterapia contínua (24h/dia), usando máscara de VNI e CAF para auxiliar na respiração.
Deve fazer nova tomografia amanhã.
– O pai do Cauan (João Luiz Máximo) também evoluiu bem, continua na UTI, mantém-se dependendo de oxigenioterapia contínua (24h/dia), usando máscara de VNI. Os exames dele não apresentaram alterações significavas de ontem pra hoje.
– A mãe de Cauan (Shirlei Máximo), que já estava confirmada com Covid, fez exames de acompanhamento da doença e a angiotomografia mostrou 10% de comprometimento pulmonar pelo vírus e apresentou ainda uma complicação chamada TEP (Tromboembolismo Pulmonar), na qual o sangue coagula no interior de alguns vasos sanguíneos e pode ser deslocar dentro dos mesmos. No caso de Shirlei, graças a Deus, o TEP foi pequeno e levou a poucas repercussões. Ela também teve que ser internada, mas em apartamento fazendo uso de vários medicamentos e fisioterapia. Ela está estável e respirando sem necessidade de oxigênio.
Agradecemos a todos os fãs, amigos e à imprensa pelo carinho com o Cauan neste momento tão difícil, pra ele e para todos.
Solicitamos que continuem as orações e as mensagens positivas para o Cauan e agora para os pais dele, o que será muito importante para a recuperação deles.
Estamos muito confiantes na cura da família.
Att, Família Cleber & Cauan

Informações do R7.

Fim das coligações para eleições proporcionais aumenta as chances de mais mulheres na política


Imagem Ilustrativa.

 

Emenda Constitucional nº 97/2017 estabeleceu o fim das coligações partidárias nas eleições para cargos proporcionais a partir do pleito municipal de 2020. Com a medida, a luta para garantir mais espaço no cenário eleitoral às mulheres ganhou um novo alento. Isso porque, se antes o cumprimento da cota de gênero de 30% para as candidaturas se aplicava à coligação como um todo, agora ela se aplica a cada partido, individualmente.

A segunda matéria da série produzida pela Assessoria de Comunicação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre a participação das mulheres na política mostra que uma das consequências do fim das coligações nas eleições proporcionais é a redução da possibilidade de ocorrência das chamadas candidaturas laranja.

Essa fraude ocorre quando mulheres são indicadas como candidatas pelos partidos políticos apenas para cumprir a cota de 30%, sem receber, de fato, os recursos do Fundo Especial de Financiamento de Campanhas (FEFC) a que têm direito e sem fazer campanha ou mesmo obter votos.

Para as Eleições Municipais de 2020, a expectativa é que surjam mais candidaturas viáveis de mulheres e, da mesma forma, aumente o número de mandatárias eleitas nas 5.568 câmaras de vereadores que terão seus representantes renovados em novembro.

Cota de gênero

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o Congresso Nacional vêm, há alguns anos, trabalhando em conjunto para incentivar uma maior participação feminina na política nacional. O intuito é reverter o atual quadro de representação da população nas casas legislativas do país, onde as mulheres, que são mais da metade do eleitorado brasileiro, ocupam menos de 10% dos assentos.

Uma das iniciativas inicialmente implementadas pelo TSE e posteriormente transformada em lei pelo Congresso foi o estabelecimento de uma cota mínima de 30% das candidaturas destinadas para mulheres. Além da reserva do número de candidaturas indicadas pelos partidos a cada eleição, também devem ser destinados às candidatas do gênero feminino 30% do tempo de propaganda eleitoral no rádio e na televisão e, ainda, a mesma proporção na distribuição do FEFC.

Combate a desvios

Além de regulamentar a legislação eleitoral por meio de resoluções e portarias e encaminhar propostas ao Poder Legislativo, o TSE também tem atuado na fiscalização e na punição de desvios na aplicação da cota de gênero para indicação e financiamento de candidaturas.

Nos últimos dois anos, a Corte Eleitoral vem julgando diversos casos em que foram apontados abusos por parte de partidos políticos que utilizaram as chamadas “candidatas laranja” para ludibriar a Justiça Eleitoral e desviar recursos do FEFC para candidatos homens.

A decisão do TSE no caso dos vereadores do município de Valença (PI) marcou a jurisprudência da Corte Eleitoral nesse sentido. Os ministros do Tribunal mantiveram a cassação de seis parlamentares que foram eleitos de forma fraudulenta nas Eleições Municipais de 2016.

No caso em questão, os vereadores foram acusados de lançar candidaturas femininas fictícias para alcançar o percentual mínimo de 30% previsto na Lei nº 9.507/1997, as Lei das Eleições. Essas candidatas não fizeram campanha, nem receberam votos, tendo desviado os recursos do FEFC que receberam para candidatos homens.

Após filho ser vítima da Covid-19, pai morre horas depois


Pai e filho morrem no mesmo dia por Covid-19 em Ilhéus, no sul da Bahia — Foto: Reprodução/TV Bahia.

 

O idoso Jurandy dos Santos, de 83 anos, morreu em decorrência de complicações da Covid-19 horas depois do filho dele, um policial civil, que também faleceu por causa da doença na cidade de Ilhéus, no sul da Bahia, na quinta-feira (20). Policiais, familiares e amigos fizeram uma homenagem às vítimas na manhã desta sexta-feira (21).

O policial Elton Mário da Silva, de 53 anos, faleceu na tarde de quinta-feira, após 25 dias de internação no Hospital Vida Memorial. Familiares contaram que ele era hipertenso.

Já Jurandy, segundo familiares, após ser infectado pelo novo coronavírus, foi internado, fez o tratamento da doença e recebeu alta neste mês de agosto. Entretanto, na quinta-feira, mesmo dia da morte do filho, Jurandy passou mal e voltou ao hospital.

“Ele fazia quimioterapia antes de ser infectado pela Covid-19, mas não sei detalhar o motivo. Quando passou mal, ele foi levado para o Hospital de Ilhéus, mas depois, transferido para a UTI do Hospital São José e, infelizmente, não resistiu. Pelo que eu soube, ele não ficou nem sabendo da morte do filho”,detalha Deise Moreira, policial e colega de trabalho de Elton.

Deise ainda informou que a mãe de Elton e esposa de Jurandy, também foi infectada pela Covid-19, ela é idosa, mas fez o tratamento em casa e passa bem.

Elton e Jurandy foram enterrados por volta das 12h desta sexta-feira, no Cemitério São Francisco, que fica no bairro Nelson Costa, em Ilhéus. Antes do enterro, houve uma carreata em homenagem a eles.

Informações do G1/Bahia.

ANS suspende reajuste de planos de saúde por 120 dias


Foto divulgação.

 

Os planos de saúde estão proibidos até o fim do ano de reajustar as mensalidades, decidiu hoje (21) à noite a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), em reunião extraordinária. A suspensão dos aumentos por 120 dias, de setembro a dezembro, foi aprovada por quatro votos favoráveis e uma abstenção.

Estão congelados os preços de todos os tipos de planos: individuais, familiares e coletivos. A suspensão valerá tanto para os reajustes anuais como para os aumentos decorrentes de mudança de faixa etária dos planos de assistência médica e exclusivamente odontológica. Os aumentos concedidos até agora não serão revistos.

Em nota, a ANS informou que medidas futuras para reequilibrar os contratos e compensar o impacto da suspensão sobre as operadoras serão decididas em futura reunião, ainda sem data. Somente na ocasião, a agência decidirá se os planos poderão cobrar retroativamente os clientes a partir de janeiro.

Para os reajustes de planos individuais e familiares, não haverá anúncio nem autorização de reajuste em 2020. Isso porque o percentual máximo de reajuste, tradicionalmente definido entre maio e julho, não tinha sido divulgado. Os planos coletivos com menos de 30 participantes (empresariais e por adesão) tiveram os aumentos suspensos de setembro a dezembro, sem possibilidade de revisão de reajustes anteriores.

Negociados livremente entre a operadora e o contratante, os reajustes dos planos com 30 participantes ou mais estão suspensos de setembro a dezembro, mas a empresa contratante poderá escolher se pagará o preço com ou sem o reajuste. Nesse caso, a opção deverá ser informada à operadora do plano.

Pressões

Ontem (20), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que poderia pautar a votação de um projeto de lei para suspender o aumento das mensalidades em 2020 caso a ANS não tomasse a decisão. Segundo ele, reajustar um plano em 25% representa um desrespeito à sociedade em meio à pandemia do novo coronavírus.

Por meio de nota, a Associação Brasileira de Planos de Saúde (Abramge) informou que, por basearem-se em custos do ano anterior, os reajustes de 2020 não refletiriam os efeitos da pandemia sobre o sistema de saúde. A entidade informou ter recomendado a suspensão dos reajustes até julho.

Segundo a ANS, não faz sentido reajustar os planos com base nos custos de 2019 porque houve queda na demanda em parte dos atendimentos médicos, como cirurgias eletivas. Segundo a Abramge, o impacto da demanda reprimida sobre os atendimentos adiados ainda está sendo avaliado e somente agora o sistema de saúde volta à normalidade.