Augusto Castro é o novo prefeito de Itabuna


 

 

 

 Augusto Castro foi eleito prefeito de Itabuna.

 

Com 41,69% das urnas apuradas em Itabuna, foi confirmado o que as pesquisas já diziam, Augusto Castro é o novo prefeito de Itabuna.

Com 16.162 votos, o dobro o segundo colocado, o atual prefeito Fernando Gomes, Augusto Castro não pode ser alcançado.

Ao site parceiro, Políticos do Sul da Bahia, Augusto explicitou, “Sempre falei que o sentimento em Itabuna era da mudança e isso foi refletido no resultado da eleição. Passei mais de 40 dias no hospital, agradeço muito a Deus e o povo de Itabuna pela minha vida.

Nossa prioridade será a saúde e vamos reabrir o novo hospital São Lucas, vou ser um prefeito dedicado e vou honrar a grande votação”, declarou.

Eleição segue: correligionários de Marão já comemoram vitória


Marão e Bebeto formam a chapa PSD e PSB.

 

As pesquisas se confirmaram e os correligionários do prefeito Mário Alexandre (PSD) já estão nas ruas comemorando. Os boletins emitidos pelas urnas mostram larga vantagem do atual prefeito.

Em quase todos os distritos Marão venceu. Em Ponta da Tulha, localidade da zona norte de Ilhéus, a diferença chegou a mais de quatrocentos votos.

Ainda segundo informações chegadas ao blog Agravo, no bairro do Malhado, os extratos das urnas também mostram grande vantagem de Marão, seguido por Valderico Junior (DEM), e Cacá.

O sistema de apuração das eleições municipais de Ilhéus apresenta lentidão neste domingo, problema que atrasa a divulgação das operações em todo estado. Apenas 43,73%dos votos foram apurados até 21h46.

Confira o resultado até agora:

 

Bahia registra 1.282 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas


Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 1.282 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,3%) e 919 recuperados (+0,3%). Dos 374.009 casos confirmados desde o início da pandemia, 358.695 já são considerados recuperados e 7.371 encontram-se ativos. A base de dados completa dos casos suspeitos, descartados, confirmados e óbitos relacionados ao coronavírus está disponível em https://bi.saude.ba.gov.br/transparencia/.

Para fins estatísticos, a vigilância epidemiológica estadual considera um paciente recuperado após 14 dias do início dos sintomas da Covid-19. Já os casos ativos são resultado do seguinte cálculo: número de casos totais, menos os óbitos, menos os recuperados. Os cálculos são realizados de modo automático.

Os casos confirmados ocorreram em 417 municípios baianos, com maior proporção em Salvador (25,35%). Os municípios com os maiores coeficientes de incidência por 100.000 habitantes foram Ibirataia (9.019,07), Itabuna (6.724,42), Madre de Deus (6.722,61), Almadina (6.698,39), Aiquara (6.567,70).

boletim epidemiológico contabiliza ainda 769.298 casos descartados e 88.673 em investigação. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Bahia (Cievs-BA), em conjunto com os Cievs municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até as 17 horas deste domingo (15).

Na Bahia, 30.119 profissionais da saúde foram confirmados para Covid-19. Para acessar o boletim completo, clique aqui ou acesse o Business Intelligence.

Óbitos

O boletim epidemiológico de hoje contabiliza 21 óbitos que ocorreram em diversas datas, conforme tabela abaixo. A existência de registros tardios e/ou acúmulo de casos deve-se a sobrecarga das equipes de investigação, pois há doenças de notificação compulsória para além da Covid-19. Outro motivo é o aprofundamento das investigações epidemiológicas por parte das vigilâncias municipais e estadual a fim de evitar distorções ou equívocos, como desconsiderar a causa do óbito um traumatismo craniano ou um câncer em estágio terminal, ainda que a pessoa esteja infectada pelo coronavírus.

O número total de óbitos por Covid-19 na Bahia desde o início da pandemia é de 7.943, representando uma letalidade de 2,12%. Dentre os óbitos, 56,15% ocorreram no sexo masculino e 43,85% no sexo feminino. Em relação ao quesito raça e cor, 54,41% corresponderam a parda, seguidos por branca com 18,14%, preta com 14,89%, amarela com 0,74%, indígena com 0,10% e não há informação em 11,71% dos óbitos. O percentual de casos com comorbidade foi de 71,77%, com maior percentual de doenças cardíacas e crônicas (74,58%).